Resumo do circo

Por Michel Laub
Folha de S.Paulo

Ódio: o que o grupo político rival sente. Já nós somos cândidos e gostamos de ouvir
o contraditório.

Golpe: está constantemente sendo promovido pelo grupo rival na mídia, no judiciário,
no aparelhamento de estatais, na doutrinação de escolas e universidades.

Classe média: todo mundo o é quando fala do próprio salário, ninguém o é quando
discute cultura ou moral.

Povo: entidade cuja versão não manipulada aparece somente nas manifestações
que apoiamos, sejam elas a marcha na Paulista em 2015, as jornadas de junho de
2013, o “Fora, FHC” ou os caras­pintadas vestindo as cores da CBF.

PM: instituição tão competente na contagem de multidões quanto em direitos
humanos.

Militante de direita: indivíduo com diferentes aplicações dos conceitos de
competência e ética se a riqueza natural em debate for água ou petróleo, se o meio
de transporte for metrô ou bicicleta.

Militante de esquerda: indivíduo cujas aplicações dos conceitos de competência e
ética, assim como a habilidade de interpretar textos, números e imagens, estão
suspensos até que se institua a solução estrutural para os males do universo –o
financiamento público de campanha.

Ajuste fiscal: o que a oposição ataca, quando não é governo.
Presunção de inocência: o que o governo defende, quando não é oposição.

Empresário liberal: a depender dos amigos que tiver, pode virar nacionaldesenvolvimentista
de si próprio.

Jornalista “independente”: se precisa obsessivamente se declarar como tal, as aspas
saem do adjetivo e grudam na conduta.

Movimentos sociais: entidades que, ensinam os manuais políticos em sua
comovente ingenuidade, estão aí para fazer barulho sem discriminar contra quem.

Exército: parafraseando Clemenceau, o futuro democrático sob militares está para a
democracia assim como a música militar está para a música.

Bancos: instituições que usam juros de 12,75% para pagar salários de uns 75,12%
dos palpiteiros do debate público.

Palpiteiros mais divertidos, financiados ou não por bancos: autores ou apoiadores do
Plano Cruzado, da Tablita, do Plano Verão, do sequestro da poupança, da
sobrevalorização cambial continuada e de outras medidas de sucesso da história
recente do país.

Humanismo: doutrina morta em algum ponto entre o fim do século 20 e o início do
21, cuja presunção de universalismo foi soterrada por demandas de grupos de
interesse –algumas legítimas e urgentes, outras ilegítimas e perdidas no tempo, no
espaço e na lógica elementar.

Marketing: ciência capaz de atribuir slogans como “pátria educadora” a um governo
que não compra livros para suas bibliotecas e escolas.

Bancada evangélica: em meio ao problema todo, resolveu protestar contra o beijo
gay na novela.

Sibá Machado: em meio ao problema todo, descobriu que a culpa é da CIA.
Carmen Mayrink Veiga: esclarecendo um aspecto ainda não percebido do problema,
elogiou o terno verde da Dilma.

Democracia representativa: o que está aí. A frase basta por em si só.
Alternativas a esse sistema: a história humana está aí. A frase basta por si só.

Últimos 20 anos: dois blocos disputando cargos. Por algum tempo, em prazos e
graus distintos, ambos melhoraram a vida da população. Nos dois exemplos, isso
acabou por circunstâncias e escolhas. Entre as escolhas, a de sentar
confortavelmente sob a lona e assistir ao circo parlamentarista do PMDB.

Urna eletrônica: tela com nomes de representantes dos dois blocos, mais um ou
outro que não tem chance e que, se tivesse, provavelmente compraria ingresso e
bateria palma para o espetáculo.

Palhaço: quem aperta um dos botões na tela.
Palhaço que, além de votar nulo ou mal, escreve coluna louvando a própria falta de
convicção: espécie de comentarista de portal ao contrário, mas que (não) é levado a
sério na mesma medida.

Amigos: em meio ao que virou o debate público brasileiro, convictos ou não, meu
amor por vocês segue incondicional.

Amor: fogo que arde sem se ver, solitário andar por entre a gente

Futuro: algo entre a Itália, a Rússia e a Argentina, com toques de “House of Cards” e
revisita (sempre) a José Sarney.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze − 1 =

ao topo