Revendo Pasqualino (o preço de estar vivo)

http://www.eovideolevou.com.br/imgProduto/62057_f4.jpg

Revi ontem o filme “Pasqualino sete belezas” (1975), de Lina Wertmüller, com Giancarlo Giannini. A onipresença do ator marca muito o filme. Há uma espécie de paródia crítica do latin lover, ao mesmo tempo em que o filme explora a profunda tensão entre expectativa de riso e medonha tragédia em andamento. Cenas patéticas reforçam a dor em cena.

A narrativa se dá numa Itália em guerra, sob o Fascismo. Pasqualino se pensa alheio à política, confessa admirar Mussolini, repete os chavões de propaganda fascista – controle sobre greves e desordens. Enquanto isso, o personagem se esmera em fazer o que esperam que ele faça, com uma imensa incapacidade para dizer não ao que dominam. Obedece ao chefão meio mafioso (vingar a honra da família, atingida pela irmã que se prostitui), obedece ao advogado que prostitui a irmã, obedece à médica no hospício, obedece à sádica comandante no campo de concentração.

O horror contra a prostituição da irmã tem por contrapartidas copular com uma louca totalmente amarrada numa cama do hospício e, por fim, prostituir-se para a comandante nazista que o despreza e trata sua ereção como mera demonstração em prol de sobrevivência.

Wertmüller opta por uma estética naturalista  de mostrar os piores horrores (interno do hospício emasculado, cadáveres aos montes no campo de concentração), embora aproxime-se do heroísmo romântico através do amigo de Pasqualino que pede para ser morto por ele diante de prisioneiros e carcereiros nazistas, bem como do velho anarquista que opta por se lançar numa medonha latrina à espera dos tiros que terminariam de matá-lo.

A diretora dialoga com a memória naturalista do Fascismo construída, dentre outros, por Curzio Malaparte (A pele), com a destruição de vestígios de humanidade operada pela guerra, incluindo a vasta prostituição que marca a presença norte-americana pós-Fascismo.

Pasqulino faz o que os outros esperam dele e, nisso, vai se destruindo passo a passo. Os planos finais do filme, com a imagem daquele homem partida num espelho do pós-guerra, mais a constatação de que está vivo, sugere uma possibilidade de mudança sem perder o conformismo: casar com a menina prostituída que um dia amou, não mais obedecer aos outros mas evocar o diagnóstico de um daqueles mártires românticos (o velho anarquista, que previa um mundo superpovoado, onde as pessoas se matariam por um pão ou uma maçã), esperar pela próxima catástrofe com alguma arma – a prole numerosa pretendida.

A herança de Pasqualino é uma infinita tristeza diante daquele passado narrado (o nazi-fascismo da destruição em escala industrial) mas também daquele presente em que o filme nasceu (ditaduras pelo mundo todo, um suposto socialismo sufocante, o nazi-fascismo em novas roupagens). Se houver alguma esperança é a desobediência pois a ordem destrutiva continua.

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo