Revolução dos jasmins

revolução dos jasmins

Foto colhida no site “A Trincheira”, no post “Mulheres do Egito”.

“Não é o povo que deve temer seu governo;
mas o governo que deve temer seu povo”
(Frase de V, no filme “V de Vingança”).

Opressão disfarçada,
Ditadura branca,
Na Tunísia,
Omissão internacional.
Um cidadão
Impedido de trabalhar,
Material de trabalho
Confiscado,
Impedido de sobre
Viver,
Impedido… Impedido…
Mohamed Bouazizi.
Imola-se,
Incendeia-se,
Desencadeia-se
Uma revolução.
Cai a ditadura
Ben Ali foge…
Bem ali
Outra revolta,
Na Argélia,
No Egito,
No mundo árabe…
Revolta espontaneamente
Popular…
Ben Ali,
Hosni,
Rosnam,
Mas caem…
Caem
Bem ali…
No Norte da África,
Onde Aníbal
Também caiu um dia
E onde os faraós
Pereceram…
Os jasmins
Triunfam
E provam
Que a flor,
Se o povo
Quiser,
Pode mais
Que o canhão.

Brasileiro, nordestino, alagoano, advogado, cidadão comum, simples habitante deste planeta decadente... Rs... [ Ver todos os artigos ]

Comments

There are 2 comments for this article
  1. José Francisco de Oliveira 1 de Fevereiro de 2011 15:19

    Fazia tempo que os dirigentes africanos não eram incomodados. As ditaduras no Norte da Árica, muitas patrocinadas pelos americanos, são uma vergonha ao continente.

    O povo no Egito, na Líbia, na Tunísia, por exemplo, vivem em situação de penúria e algo tinha que acontecer mais cedo ou mais tarde.

    A Revolução dos Jasmins (jasmins por que começou na Tunísia – cuja flor nacional é o jasmim – e se alastrou pelo Norte da África) é o que estava faltando para o povo despertar.

    O poema reflete bem a situação daqueles povos. Adorei o trocadilho com o nome do ditador tunisiano (Ben Ali) e com o ditador egípcio (Hosni Mubarak).

    O poema é sóbrio, sem enfeites e reflete o que se passa no Norte da África.

    Parabéns o poeta e o site do substativo plural, que estou acessando pela primeira vez, por recomendação de uma amiga que é leitora assídua: Jane Silva, por nos brindar com um poema belo e atual.

  2. Danclads Andrade
    Danclads Lins de Andrade 1 de Fevereiro de 2011 22:29

    Bem ali… O preconceito rosna e é mais forte que o respeito… Bem ali,como bem disseste, penúria, sobrevida, sacrifícios, povos à míngua.

    Valeu Francisco, pelo comentário generoso.

    Abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP