Roberta Sá hoje, amanhã e por muito tempo


Roberta Sá lança nesta quarta-feira no Teatro Alberto Maranhão seu primeiro Dvd e Cd gravados ao vivo: Pra se ter Alegria. O repertório é baseado nas músicas dos primeiros trabalhos da intérprete natalense/carioca: Braseiro (2005) e Que Belo Estranho Dia Pra se Ter Alegria (2007). A temporada de shows na capital potiguar segue até sexta-feira no TAM, sempre às 20h. A apresentação de hoje é resultado do show produzido em abril deste ano, no Vivo Rio (RJ) e traz sucessos como Alô Fevereiro, Interessa?, Janeiros, Mais Alguém e Eu Sambo Mesmo, além de Agora Sim, parceria da cantora com Carlos Rennó e Pedro Luis.

A intérprete cada vez mais carioca e, talvez por isso, longe da maldição de Cascudo e de carreira ascendente, integra o talentoso time de talentos femininos surgidos nos últimos anos na MPB brasileira. Junto com Roberta Sá estão Mariana Aydar, Ana Cañas, Céu, e outras de mesma geração, mas talvez já fincadas no tapete vermelho do estrelato, como Maria Rita. São todas herdeiras da mescla de estilos de Elis Regina, Clara Nunes e Marisa Monte. São a bossa da nova música brazuca, cada vez mais uma nação feminina. No caso de Roberta Sá, o terreiro é mais sambista.

Mas a própria intérprete ressaltou ao jornalista Sérgio Martins, da Veja: “O treinamento lírico me ajudou muito. Mas é preciso ter personalidade própria para cantar MPB”. Em seu álbum de estreia, Braseiro (2005), ela mistura sambas tradicionais com criações de compositores contemporâneos como Pedro Luís e Marcelo Camelo. Uma das faixas, A Vizinha do Lado, de Dorival Caymmi, foi escolhida para fazer parte da trilha sonora da novela Celebridade, da Rede Globo. Já o segundo disco, Que Belo… traz o recheio das composiçoes do marido Pedro Luís.

A receia é infalível: unir o carisma de uma voz feminina limpa e aguda, ao samba carioca puxado para a MPB clássica e incorporar ao estilo composições de um repertório eclético de músicos jovens e badalados como Marcelo Camelo, Lenine e o próprio Pedro Luís. Ou mesmo de alguns dinossauros da MPB, como o fã declarado Ney Matogrosso e Chico Buarque, ambos presentes neste último disco, com as músicas Peito Vazio e Mambembe, respectivamente. Ainda no Cd, composto de 21 faixas, a participação do jovem violonista considerado um dos bambas no país, Yamandú Costa.

Para o show de hoje, Roberta Sá, que desembarcou em Natal na tarde de ontem já com agenda lotada, vem acompanhada pelos músicos Antonia Adnet (violão 7 cordas, vocais e percussão), Élcio Cafaro (bateria e percussão), Jovi Joviniano (percussão), Ronaldo Diamante (baixos acústico e elétrico e percussão), Rodrigo Campello (programações, violão 7 cordas, guitarra, cavaco e teclado). Assim como no show gravado ao vivo, a direção geral fica a cargo do cantor e compositor Pedro Luís e da jornalista Bianca Ramoneda. O cenário é do “mago” Gringo Cardia e o figurino é de Isabela Capeto.

Acredito que música, literatura e esporte são ansiolíticos dos mais eficazes; que está na ralé, nos esquisitos e incompletos a faceta mais interessante da humanidade. [ Ver todos os artigos ]

Comments

Be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP