Roberto DaMata na Roda Viva

O DaMata antropólogo é o escritor brasileiro mais citado no meio acadêmico. Tem mais citações que alguns departamentos da UFRN. Diz o que pensa e pensa originalmente. Diz o “suficiente” que nenhum outro diz.

Peguei o final do programa, mas já assisti a inúmeras entrevistas com ele. Sabe falar e dizer. Para ele o nada é o infinito. Nada é permanente em se tratando de analisar o Brasil que é como água. Tentamos segurar.

O transito no Brasil é uma demonstração de uma igualdade. Diferente daquela aristocracia em que fomos criados. Precisamos aprender a viver com essa igualdade.

Lembro daquele locutor de TV Luis Carlos Prates, com raiva de pobre: Qualquer miserável agora tem carro. Um comportamento fascista ainda presente na cultura brasileira. “Resultado desse governo espúrio que popularizou o carro” (o governo Lula)

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 5 comentários para esta postagem
  1. João da Mata 11 de janeiro de 2011 18:29

    Bom Alex, se voce pensa assim!

    Durante muito tempo J. Amado foi sinonimo de literatura brasileira em boa parte do mundo.Hoje esse lugar é´ocupado por P. Coelho.

    Muita gente tá lendo Laurentino como se fosse a história oficial.
    Se voce estava na FLIPIPA viu o debate. Laurentino lamenta que a academia não escreve para o grande público. Ele ocupa esse lugar e seus livros são bestsellers.

    Lamento não ter sido compreendido pelo grande colega.

  2. Alex de Souza 11 de janeiro de 2011 18:04

    rapaz, rolou um alhos com bugalhos aí. Como todos sabem, Coelho é escritor, não estudioso da literatura. Laurentino é um jornalista que escreve sobre História, não um historiador. Não os vejo por aí sendo chamados para opinar sobre teoria e crítica literária ou História do Brasil, a não ser quando surgem falando das próprias obras.

    É natural no entanto que o grande público os conheça melhor que esse ou aquele cardeal da academia. Mas duvido que isso ocorra entre gente da área.

    Da Matta é um caso diferente: ele é um acadêmico – agora se é relevante ou não para o campo da antropologia, deixo para os especialistas – que é uma espécie de celebridade pop da antropologia nacional.

  3. João da Mata 11 de janeiro de 2011 15:57

    Valeu Alex, pelos comentários .

    Gosto do livro a “Casa e a Rua” e de algumas coisas que ele diz com coragem.
    Temos mesmo que acordar para essas pessoas que ocupam espaços que deveriam ser preenchidos pela academia.
    Veja o caso do Laurentino Gomes, na História. Paulo Coelho, na Literatura.
    Essas pessoas são lidas e mais conhecidas que os especialistas,
    Concorda que o Damata é muito citado?

    Um forte abraço

  4. Alex Galeno 11 de janeiro de 2011 14:17

    Caro amigo João da Mata,
    O Roberto DaMatta é o que há de mais relativista e atrasado na antropologia brasileira. Ele é para a antropologia o que Paulo Coelho é para a literatura. Devemos tomar cuidados com as retóricas vazias e comparações fácieis de DaMatta.
    Abraços,
    Alex Galeno

  5. Alex de Souza 11 de janeiro de 2011 8:11

    Da Mata e demais: o Roda Viva pode ser assistisdo na íntegra, a qualquer momento, no site da TV Cultura. Não só o desta semana, mas os anteriores também.

    http://www.tvcultura.com.br/rodaviva/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo