Ruffato conclui saga social sem ‘coitadinho’

Por Marco Rodrigo Almeida
FSP

Em ‘Domingos sem Deus’, escritor foge dos clichês ao retratar o trabalhador braçal

“Domingos sem Deus”, livro que Luiz Ruffato, 50, lança na próxima semana, é o ponto que o escritor mineiro sempre quis atingir.
A obra é o quinto e último capítulo da série “Inferno Provisório”, iniciada em 2005 com “Mamma, Son Tanto Felice” e “O Mundo Inimigo”.

Depois vieram “Vista Parcial da Noite” (2006), “O Livro das Impossibilidades” (2008) e, finalmente, “Domingos sem Deus”. Em conjunto, os cinco livros formam um painel da história do operariado brasileiro nos últimos 50 anos.

Foi com essa ambição -de retratar o trabalhador comum- que, há cerca de 15 anos, Ruffato escreveu seu primeiro livro, “Histórias de Remorsos e Rancores” (1998).

Dele ao mais recente livro, o escritor dedicou-se ao árduo trabalho de escapar dos clichês. O mais perigoso deles seria retratar os operários como tipos rasos e esquemáticos, apenas vítimas da desigualdade social.

“A série é totalmente o contrário do que se espera de uma literatura sobre o trabalhador braçal. Não tem coitadinho no meu livro”, explica.

Também não tem a linguagem direta e crua que, em geral, marca os relatos sociais. Cada livro é formado por histórias breves, com diversos personagens, de forma não linear, sem um “começo-meio-fim”.

É nas entrelinhas, portando, que o leitor deve buscar o sentido dessa saga tão diferente de um enredo clássico.

De “Mamma, Son Tanto Felice” a “Domingos sem Deus”, Ruffato narra a migração dos personagens, do interior de Minas Gerais para São Paulo ou Rio de Janeiro, em busca de emprego e dinheiro.

Quase sempre, porém, vão encontrar apenas outras formas de desilusão. Se a série tivesse uma “moral da história”, poderia ser : “o inferno está em todos os lugares”.

“Está dentro de cada um”, enfatiza o autor.

Ruffato nega qualquer motivação autobiográfica nos livros, mas é difícil não associá-lo aos personagens. Como muitos deles, o autor nasceu em uma família pobre em Cataguases (MG), foi torneiro mecânico e veio tentar a sorte em São Paulo.

O resto, porém, foi bem diferente. Hoje um dos autores mais prestigiados do país, ele pode vislumbrar um paraíso ao qual seus personagens nunca tiveram acesso. “Para mim foi realmente um inferno provisório”, brinca.

DOMINGOS SEM DEUS

AUTOR Luiz Ruffato

EDITORA Record

QUANTO R$ 32,90 (112 págs.)

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo