O sabor da ilusão

Um irmão da minha mãe, Joaquim Suassuna de Alencar, gostava de repetir um clichê que ouvira de tios seus. “A vida é uma ilusão”.

Dessas frases sem autores definidos, que tomam conta dos dizeres e viram “verdades” na repetição, como ensinara o arauto da propaganda germânica nos tempos dos mil anos que Hitler imaginara para sua louca ilusão.

Iludir-se é da nossa condição. Quase uma praga de cigano, ao se ver desiludidamente sem o convencimento de apanhar o ingênuo na proposta da troca.

A política é uma ilusão ou o político é um cigano a manter animada a feira das trocas, das vendas ou das compras? No caso do Rio Grande do Norte, a confusão se fez na prática. Quando Aluízio Alves aceitou o apelido irônico e o fez veículo de marketing, numa época em que essa esperteza ainda não montara a tenda de enganar a ingenuidade.

Aluízio contou-me que chegara para fazer um comício em Pau dos Ferros. Na hora da sua fala, uma pessoa da multidão gritou: “Seu adversário chamou você de cigano. Diga que cigano é ele”. E Aluízio teria respondido: “Ele disse a verdade. Eu sou um cigano e venho propor uma troca. Vamos trocar um governo velho e fraco por um governo forte e novo”.

E daí saíram canções e lendas. A proposta da troca cigana é também uma ilusão das feiras. “Ganjão! O que me dá de troca por essa burra de sela, seleira e veloz”?

Zé Garcia, chefe cigano sem ser cigano, andava numa burra arreada de couro e brilhos, cheirosa como damas de cabaré. Derramava nas crinas e no rabo da montaria frascos do “extrato de pobre”, um perfume barato de cheiro ativo e doce, cujo recipiente tinha o fundo roliço.

Os missionários, nas missões fanáticas ou nos beatos meio loucos, vendiam a ilusão do céu. Frades estrangeiros, de sotaques alemães ou italianos, do Frei Timóteo ao frei Damião, espalhavam medos e prometiam salvação.

Bem mais ingênuos do que os espertos “evangélicos” de hoje, que enriquecem à tripa forra vendendo milagres e milacrias. Negadores de Lutero, cuja ira santa desnudou a Igreja romana por esses mesmos hábitos.

Iludir pra ser iludido. Impossível viver só da realidade. A arte não é outra coisa senão a suavidade falsa da vida suportável para contrapor-se à pesada ilusão da vida real.

Viver é também enganar a vida, como artimanha de adiar a morte. Ou não pensar nela. Pelo menos não fazer da morte um pensamento constante, espantador da vida, como faziam os monges do Mosteiro da Trapa, ao repetir o único cumprimento do dia: “Lembrai-vos da morte, irmão”!

O ano novo é uma reinvenção da angústia de não controlar o passar do tempo. Não o vence, alia-se a ele. E então se comemora como se fosse resultado da vontade.

O tempo não dá satisfações ao relógio nem toma conhecimento do calendário. Essas são prisões nossas.

Você acabou de perder tempo ao ler este texto. Té mais.

Ex-Presidente da Fundação José Augusto. Jornalista. Escritor. Escreveu, entre outros, A Pátria não é Ninguém, As alças de Agave, Remanso da Piracema e Esmeralda – crime no santuário do Lima. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo