Se…

SE TUDO DER ERRADO dormirei séculos no alto do Himalaia, acordarei ouvindo a marcha dos mamutes e as trombetas dos guerreiros imemoriais, seguirei num caminho de gelo em busca do sol pousado sobre as águas de um rio transparente, cristalino, profundo. Terei nas nuvens o espelho da terra em que viverei e onde plantarei milharais e uma sequoia já antiga que arrancarei do solo lunar com a espada que reencontrei no pântano. Encostarei a cabeça na pedra alta que faz sombra aos leões jovens e rinocerontes negros do Altiplano. Dedicarei-me a ouvir um monge de voz grave e olhos serenos, ditando-me as derradeiras palavras e as primeiras que se ouviu no tempo. Beberei as águas da cachoeira e remarei nos mares perdidos e tempestades que cercam a Oceania. Quebrarei o caranguejo gigante com os dentes e comerei sua carne doce na noite das danças frenéticas. Perderei as ilusões todas nos braços de uma rainha alta, de peitos rijos, que me cegará com seus lábios venenosos pousados sobre as minhas finas pálpebras. Deliciarei-me entre as pernas da deusa africana que me cravará os dentes e as unhas e me dará os seus leites e língua. Darei os passos mais loucos e pularei longe, entre oceanos, montanhas e planetas, aguardando, então, os mais vagarosos dias de Saturno.

Advogado público e escritor/poeta. Membro da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 4 comentários para esta postagem
  1. Lívio Oliveira 8 de agosto de 2013 11:45

    Mestre Jarbas, cada palavra sua vale uma pepita de ouro! Um abraço afetuoso deste seu discípulo indisciplinado!

  2. Lívio Oliveira 8 de agosto de 2013 11:43

    Anchieta, rsrsrs, gostei do comentário! Nós nos veremos e quero dar um abraço forte em você, um sujeito pra lá de massa!!!

  3. Jarbas Martins 8 de agosto de 2013 10:37

    Os poetas Lívio Oliveira e Carmen Vasconcelos nunca escreveram em prosa. Cesário Verde também.Entre polidos e ácidos alexandrinos o português expôs todo o segredo da sua arte:: “…não há coisa que mais me contrarie/ do que escrever em prosa”.

  4. Anchieta Rolim 8 de agosto de 2013 10:25

    Belo texto! Vai dar tudo certo, viu poeta. Estarei esperando você na Feira do Livro de Mossoró. inté…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo