Se

Por Ednar Andrade

Quem me entenderia ‘se’… Pudesse entrar em minha cabeça… Quem afinal me descobre, Quando me cubro de espanto? Quem me conhece tanto e a ponto

De reconhecer o pranto, Quando sutil deixo escapar A lágrima que teimo em guardar? O meu sorriso tão rosa, Quem o fará desbotar?

A quem confio o encanto Da minha vida revelar? Sem engolir uma vírgula, Nem um ponto? Desta história que estremece

Feito gelatina da cor do juá Ainda pergunto sem crer Na resposta de muita gente: Quem sou? alguém sabe, gente? Se existir na boca de alguém

A reticência… Eu me conheço Bem mais que muita gente… Sem me enganar, nem perder Ponto, vírgula ou parênteses… Quem me conhecerá?

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis + treze =

ao topo