A Semana Santa e a celebração da Páscoa

Todo ano, caro leitor, esperava ansiosamente pela Semana Santa. Tinha a malhação de Judas com uma longa preparação do boneco de pano que ia levar porrada. Eu morei no Alecrim e depois nas Quintas. Na semana santa só ouvíamos música sacra. Muitos pedintes nas casas; O coração parecia mais mole. Fazíamos o leilão das peças do Judas, antes de tirá-lo do poste para massacrá-lo. Aquilo era uma festa de risos e gozos. Depois roubar galinha para a festa do Sábado de Aleluia após um longo jejum. Ninguém dizia nome feio. No cinema São Pedro no Alecrim assistia a Paixão de Cristo e Marcelino Pão e Vinho. Comer carne nem pensar.

E hoje nenhum pedinte de pão nas nossas casas eletrizadas e muradas. Ainda vejo os filmes da semana santa. Ali crucificaram Jesus. Fico pensando quantos de nós não somos crucificados. E quem não tiver pecado atire a primeira pedra.

Na Semana Santa assisti novamente “Moisés, Os Dez Mandamentos”, Judah Ben-Hur, em Ben-Hur (leia (Ben- rú) – o de Hur, e o lendário cavaleiro espanhol El Cid no filme de mesmo nome. El Cid é um dos maiores heróis da literatura espanhola e foi uma personagem-mito-herói–histórico fundador de toda uma literatura cavaleiresca, que só podia desaguar no grande Quixote.

Charlton Heston faz um tipo de mocinho com quem não tememos lutar. Um homem forte, bonito, alto e de um porte elegante. Ator da grande era de ouro do cinema. Seu nome é para mim sinônimo de cinema.

Bem Hur é um dos maiores épicos-bíblicos de todos os tempos. A primeira versão foi de 1926 – com direção de Fred Niblo na MGM, estrelado pelo grande ator Ramon Navarro. A grande saga de um mercador judeu que é escravizado e consegue triunfar lutando contra todas as dificuldades. A versão estrelada por Heston foi dirigida por William Wyler (O morro dos ventos uivantes), em 1959. Ganhou 11 Oscars e custou uma fábula de dinheiro para época – 15 milhões de dólares com a participação de mais de cem mil figurantes. O roteiro foi escrito por Karl Tunberg, baseado em livro de Lew Wallace. Música do grande Miklós Rózca e figurinos maravilhosos de Elizabeth Haffenden. Nesse belo filme são antológicas as cenas dos remadores nas galeras, a corrida de bigas e o final no leprosário. Charlton Heston está estupendo e seus olhos claros transpassam a tela e flecham nossa emoção que não conseguem segurar as lágrimas que vem sendo jorradas nesse meio século de um filme eterno. Se judeu ou cristão o que importa é o convencimento da arte com a história ficando num dos planos secundários de um filme de belos “long-shots”.

Antes do Cristianismo a Páscoa já era celebrada pelo povo Hebreu. Era a festa das primícias quando oferecia-se a Deus o primeiro feixe de trigo. A Páscoa Judaica é chamada PESSACH que significa libertação e recorda o episódio do Êxodo, quando os judeus estavam sob a dominação do Faraó do Egito.

A data do carnaval é determinada pela páscoa. O carnaval antecede os dias de penitencia da semana santa que fica há quarenta dias da quaresma. A quaresma do Cristianismo designa um período de 40 dias que antecedem a principal festa a ressurreição de Cristo, celebrada no Domingo de Páscoa desde o século IV. A Quaresma começa na quarta-feira de cinzas e vai até a quinta-feira santa, que celebra a última ceia de Cristo. Os cristãos costumam evitar o consumo de carne nesse período.

A terça-feira de carnaval acontece sempre 47 dias antes do domingo de Páscoa. E o domingo de Páscoa é definido como o primeiro domingo depois da primeira Lua Cheia que ocorre após o dia 21 de março (equinócio de primavera no hemisfério norte ou de outono no hemisfério sul).

Para saber o dia em que cai a terça-feira de carnaval devemos subtrair 47 dias do dia da Páscoa do ano respectivo. Com mais 60 dias teremos a data do Corpus Christi. O concílio de Niceia, no ano 325, estabeleceu que a Páscoa devia cair no primeiro Domingo que se seguisse ao equinócio de primavera para o hemisfério setentrional. Isso de deu com base na crença que Jesus ressuscitaria no Domingo depois do equinócio de primavera e depois de uma Lua Cheia. Assim ficou estabelecido que o Domingo de Páscoa segue sempre a primeira lua cheia após o 21 de Março.

A data das Páscoa determina todas as outras datas. Carnaval, septuagésima, Ascenção e Corpus Christie. O Domingo de Páscoa deve cair sempre entre os dias 22 de Março e 25 de Abril.

As datas da Páscoa

Páscoa 2013 31 março 2013
Páscoa 2014 20 abril 2014
Páscoa 2015 5 abril 2015
Páscoa 2016 27 março 2016
Páscoa 2017 16 abril 2017
Páscoa 2018 1 abril 2018
Páscoa 2019 21 abril 2019
Páscoa 2020 12 abril 2020
Páscoa 2021 4 abril 2021
Páscoa 2022 17 abril 2022
Páscoa 2023 9 abril 2023

Outras datas do Calendário Cristão:

Septuagésima 63 dias antes da Páscoa
Terça-feira de Carnaval 47 dias antes da Páscoa
Quarta-feira de Cinzas 46 dias antes da Páscoa
Domingo de Ramos 7 dias antes da Páscoa
Sexta-feira da Paixão 2 dias antes da Páscoa
Domingo do Espírito Santo 49 dias após da Páscoa
Pentecostes 50 dias após da Páscoa
Santíssima Trindade 56 dias após da Páscoa
Corpus Christi 60 dias após da Páscoa

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

There is 1 comment for this article
  1. Maria Aparecida Anunciata Bacci 10 de abril de 2015 16:33

    Belíssimo texto,nos faz lembra do épicos bíblicos, e suas produções espetaculares, de uma forma poética autor nos lembra de toda as manifestações comuns da Semana Santa, quando diz que”O coração parecia mais mole” , hoje infelizmente, toda está comemoração está se esvaindo, mas ainda temos o épicos maravilhosos para nos lembrar, mas devemos nos ater , que a Páscoa já era uma festa cultuada antes do nascimento de Cristo, pelo povo Hebreu.E no texto há uma explicação interessantíssima de como é calculada, a Páscoa ,e outros dias santos. Parabéns poeta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo