SER ZILA

enquanto naus

mar nem tanto

entre a ponte e outro caos

adianto

tempo talvez

não

haverá outra vez

moinho de vento e grão

não em vão

cai

desregular trovão

stand by

o amanhã o amanhã

outrora

se afogar na manhã

ficar embora

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 11 comentários para esta postagem
  1. Marcos Silva 12 de novembro de 2011 11:16

    Godot:

    Muito obrigado pela honrosa comparação. Seu comentário é muito sensível a aspectos centrais de meu texto.
    Abraços:

  2. Godot Silva 12 de novembro de 2011 9:30

    Marcos, Marcos: Ser Zila é alienu, é alheiar-se no alheatório alheio de quem não viu o instante, mas segue na alheta do que foi… Parabéns!

  3. Marcos Silva 11 de novembro de 2011 20:36

    Anne, Anne:

    É sempre muito bom ouvir vc. Obrigado, mil beijos.

  4. Anne Guimarães 11 de novembro de 2011 17:38

    Marcos, meu menino…
    Só agora li esses versos profundos de solidão.
    Recitei uma, duas, tantas vezes em voz alta
    como se pudesse chamar Zila através do seu coração, meu amigo.
    Que lindo, me emocionei.
    Poesia é isso.
    Beijos e silêncios.
    🙂

  5. Marcos Silva 11 de novembro de 2011 6:18

    Nina e Claudia:

    Obrigado, um beijão.

  6. Marcos Silva 9 de novembro de 2011 14:33

    Agradeço muito a Anchieta, Romana e Lívio.

  7. Lívio Oliveira 9 de novembro de 2011 12:55

    Um poema digno em sua simplicidade eloquente, Marcos. Digno e forte nas imagens que criou. Uma homenagem respeitável.

    Agradou-me, inclusive pela musicalidade. Considerei feliz a forma como tratou da vida, da morte, do tempo…navegações involuntárias (?)

    “mar nem tanto”….”ficar embora”: talvez, as mais felizes soluções poéticas, aqui! É isso, sim! É isso!

  8. Romana Alves Xavier 9 de novembro de 2011 10:33

    Adorei!!! Parabéns!!!

  9. Anchieta Rolim 9 de novembro de 2011 9:37

    Parabéns Marcos, não só pelo poema mas também pelo comentário 5 Years. Admiro sua sensatez! Um abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo