Sérgio Cabral em preconceito explícito

No texto “Os filhos da Rocinha” (FSP, 14.11.11), apareceu uma caracterização dessa área do Rio de Janeiro, por Sérgio Cabral, como “fábrica de marginais”.

Quer dizer que todos os marginais que atuam naquela cidade nasceram na Rocinha? Quer dizer que não nasceu um só marginal em Ipanema, Gávea, Barra da Tijuca, Leblon e Arpoador?

Acho que nunca vi agressão tão violenta à população pobre por um governador de estado quanto essa! E ainda folclorizam as bobagens que Adhemar de Barros dizia, no passado. Isso é pior que bobagem. É discriminação pura e simples.

Ele não foi processado por preconceito de classe e endereço?

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo