ribeira boêmia

Show virtual de samba encerra temporada do projeto Terça da Boa Música

O último evento do ciclo de shows promovido pela Viva Entretenimento ocorre nesta terça (25), a partir das 20h, no canal Viva Promoções, no youtube. O projeto, que começou contando a história da MPB, passou pelo Forró e pelo Rock, agora se dedica ao estilo considerado por muitos especialistas como o mais original dos gêneros musicais brasileiros. Prepare-se para se aventurar pela trajetória do samba, em uma noite cheia de gingado e nostalgia.

Serão 3 horas de show, com um dos maiores projetos culturais de samba do RN, o Ribeira Boêmia; e o grande compositor e intérprete Debinha Ramos. A live também arrecadará doações para o Fundo Transforma Brasil no Rio Grande do Norte e fará vários momentos de interação com o público durante a programação.

Origem do samba

De forma resumida, pode-se dizer que o samba nasceu de uma transformação dos antigos batuques dos povos africanos, trazidos como escravos para o Brasil. Por esse motivo, é até hoje um símbolo de resistência e luta para o brasileiro. Aqui, ele foi ganhando forma e adquirindo novas características, recebendo influência posteriormente da MPB e Bossa Nova, além de se desenvolver em vários subgêneros ao longo da história.

Ele se consolidou nas casas das tias baianas da Praça Onze, no centro do Rio, nas festas de terreiros, entre umbigadas e pernadas de capoeira, marcado no pandeiro, prato e faca, e na palma da mão.

A obra que ficou conhecida por fundar o gênero foi “Pelo Telefone”, assinada por Ernesto dos Santos (o famoso Donga) em 1917. Nos anos 30, o samba ganha enorme difusão através do rádio e é projetado internacionalmente através do cinema com o trabalho de Carmem Miranda. Durante o Estado Novo de Getúlio Vargas, o nacionalismo se destaca também no cenário musical e o samba exaltação faz sucesso no exterior com “Aquarela do Brasil”.

Enquanto isso, nos morros e favelas do país, surgem Cartola, Carlos Cachaça, Nelson Cavaquinho, Geraldo Pereira e muitos outros. Posteriormente, as escolas de samba chegam como um verdadeiro fenômeno e propulsionam novos subgêneros, do partido alto ao samba enredo, trilha para desfile de agremiações.

Iniciadas aos moldes dos ranchos, as escolas cresceram até dominar o carnaval, transformando o turismo e a economia nacional. A partir daí, muitas outras formas de samba se desenharam, assim como a consagração do personagem malandro, protagonista das maiores narrativas musicais do estilo.

A parceria com o Transforma Brasil visa responder às circunstâncias sanitárias e econômicas do país, em virtude da pandemia de coronavírus, e assumir uma responsabilidade cívica necessária. Por isso, as doações arrecadadas durante os shows estão sendo direcionadas para esse projeto, que deve ajudar, em média, 125 mil famílias associadas às instituições participantes.

Sobre os artistas

A Ribeira Boêmia tem excelente notoriedade no estado e conta com uma audiência fiel em eventos presenciais. O projeto, criado em 2012, sempre teve como principal objetivo a supervalorização do gênero. A roda de samba veio como parte integrante desse projeto em 2015, realizando um intercâmbio musical entre cantores sambistas.

Debinha Ramos, por sua vez, é nascido nas Rocas, berço da cidade do Natal, onde bebeu da fonte dos grandes mestres potiguares Lucarino, Antônio Melé, Farrapo, Menezes, Chico Trunfa, Aluizio Pereira, entre outros. Na juventude, tocava com os irmãos Zeno e Gaspar, músicos da roda de samba João de Orestes; em 1980, chegou ao Balanço do Morro, e desde então vem emplacando sucessos e muitos sambas de roda.

Jornalista por opção, Pai apaixonado. Adora macarrão com paçoca. Faz um molho de tomate supimpa. No boteco, na praia ou numa casinha de sapê, um Belchior, um McCartney e um reggaezin vão bem. Capricorniano com ascendência no cuscuz. Mergulha de cabeça, mas só depois de conhecer a fundura do lago. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × dois =

ao topo