Siddharta, de Conrad Rooks, grátis na rede

O poeta Volonté emprestou-me o filme em DVD “Siddhartha”, baseado no livro “Sidarta”, de Hermann Hesse, que li há bastante tempo, depois de “O lobo da estepe”, do mesmo autor.

Assisti hoje, gostei e fiquei curioso em saber mais informações sobre o diretor, Conrad Rooks (1934-2008), que não conhecia. Fico sabendo que ele foi ligado à cultura beatnik e ganhou o Leão de Prata em Veneza com o filme “Chappagua – almas entorpecidas”.

Abri dez páginas do Google. Não achei quase nada da biografia do diretor americano, mas encontrei sinopses de “Chappagua” e “Siddhartha”, que reproduzo no final.

Nessa busca acabei chegando a um blog que oferece dezenas de downloads gratuitos de filmes políticos. Isso é uma das coisas que acho massa na Internet, você vai atrás de uma coisa, às vezes acha, outras vezes não, mas algumas vezes depara com outras muito mais interessantes. Raramente você perde a viagem numa pesquisa, é só estar atento.

Recomendo uma olhada no blog Filmes Políticos, que disponibiliza “Siddhartha” para download grátis. Não encontrei “Chappaqua”.

aqui

Sinopse de Chappaqua – 1966 (vencedor do Leão de Prata em Veneza)

Acolhido com reações vibrantes e eufóricas na Mostra de cinema de Veneza em 1966, Chappaqua: Almas Entorpecidas é o primeiro filme, em grande parte autobiográfico, de Conrad Rooks – poeta, escritor e aluno de L. Strasberg no Actor Studio. O protagonista é o Sr. Harwick, um escritor devotado às drogas e típico personagem do meio cultural dos anos 60 – subversivo, intelectual, experimental, e altamente entorpecido. Harwick deixa New York e vai à Paris para se desintoxicar numa clínica. Aproveitando as suas últimas horas de liberdade, perambula pelas ruas e bares, totalmente entregue às suas alucinações. Esta pequena obra-prima do cinema underground americano, nos brinda com um incrível elenco de figurões da nata cultural daquele período: os escritores da “beat generation” William S. Burroughs e Allen Ginsberg, os músicos Ravi Shankar e Ornette Coleman, e o ator francês Jean Louis Barrault.

Sinopse de Siddhartha – 1972
Vinte e cinco séculos atrás, o jovem brâmane Sidarta deixa a casa do pai. Tem apenas 18 anos e busca o nirvana, o estado eterno de paz e equilíbrio. Por anos, torna-se asceta a discípulo de Buda. Depois, cansa-se desta vida de jejuns, cânticos e total despojamento e parte para o mundo. Com Kamaswami, aprende os princípios do comércio e a ganhar muito dinheiro. Com a bela cortesã Kamala, descobre os segredos do amor carnal. Ele experimenta todos os modos de vida à medida em que os anos passam. Sua busca só parece terminar quando, já um homem velho, decide tornar-se um simples barqueiro. A história se baseia no famoso livro escrito em 1922 pelo alemão Herman Hesse, que se tornou quase uma bíblia da contracultura em meados dos anos 60, por suas implicações filosóficas na busca do Eu.

ao topo