Sob a luz da Lua

A Lua no espaço fundo
parece engastada num espelho escuro.
Entre a minha solidão e eu há de nascer o sonho
ao redor da cidade; das ruas, dos becos,
das casas humildes onde mora a incerteza.
Ninguém vê a pobreza dessas casas
até que a luz venha aninhar-se perto delas.
Nas calçadas algumas palavras são ditas
sobre crenças e mistérios da vida,
e o vento passa pelos remendos dos lençóis
dessa gente que vive encolhida.
A luz da lua é um bálsamo
que alivia a desigualdade e a indiferença,
um presente do céu,
da noite que descansa do peso das estrelas.

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 8 =

ao topo