Sobre a entrevista de Nicolelis

Não vi nada de lamentável na entrevista (aqui) em que o neurocientista Miguel Nicolelis critica a falta de apoio dos governos estadual e municipal ao Instituto Internacional de Neurociências de Natal. Também não percebi onde estão o preconceito, a arrogância e narcisismo do entrevistado.

Já a carta assinada por Edgard de Assis Carvalho, coordenador do Núcleo de Estudos da Complexidade – PUCSP, e Maria da Conceição Almeida, coordenadora do Grupo de Estudos da Complexidade – GRECOM/UFRN, pareceu-me extemporânea e movida por interesses que não consegui identificar.

Fiquei com a impressão de que Edgard e Conceição não leram a entrevista. Ou a leram apressadamente. Nicolelis elogia a UFRN, cumpriu tudo que ficou acertado. A estrada que o neurocientista cobra fica em Natal e não em Macaíba como afirma a carta.

Nicolelis compara os investimentos em turismo e em ciência e diz que os primeiros são mais importantes. Alguém tem dúvidas sobre isso? Os EUA, Japão, Alemanha, por exemplo, são importantes devido ao turismo ou ao desenvolvimento científico e tecnológico?

O IINN e a UFRN são essenciais para o desenvolvimento do RN. Já trabalham em parceria. Em nenhum momento da entrevista isso é questionado.

Não li até hoje nada sobre essas questões bioéticas nas pesquisas do Instituto. Li, sim, algumas reportagens elogiosas sobre o trabalho do neurocientista, que nos últimos tempos passou a ser cotado para o Nobel (principalmente pelas pesquisas sobre o Mal de Parkinson).

Hoje, na Tribuna do Norte (aqui), o Governo do Estado é desmentido pelo diretor do Instituto. O governo, através, da Fapern, divulgou que repassou 412 mil para a instituição. O dinheiro não chegou.

Os setores de educação e científico no Brasil já são tão esquecidos e mal tratados que seus líderes e intelectuais deveriam se unir para cobrar mais recursos e apoio e não ficar brigando pelos jornais. Isso, sim, é por demais lamentável.

Comentários

Há 9 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × cinco =

ao topo