Sobre a entrevista de Nicolelis

Não vi nada de lamentável na entrevista (aqui) em que o neurocientista Miguel Nicolelis critica a falta de apoio dos governos estadual e municipal ao Instituto Internacional de Neurociências de Natal. Também não percebi onde estão o preconceito, a arrogância e narcisismo do entrevistado.

Já a carta assinada por Edgard de Assis Carvalho, coordenador do Núcleo de Estudos da Complexidade – PUCSP, e Maria da Conceição Almeida, coordenadora do Grupo de Estudos da Complexidade – GRECOM/UFRN, pareceu-me extemporânea e movida por interesses que não consegui identificar.

Fiquei com a impressão de que Edgard e Conceição não leram a entrevista. Ou a leram apressadamente. Nicolelis elogia a UFRN, cumpriu tudo que ficou acertado. A estrada que o neurocientista cobra fica em Natal e não em Macaíba como afirma a carta.

Nicolelis compara os investimentos em turismo e em ciência e diz que os primeiros são mais importantes. Alguém tem dúvidas sobre isso? Os EUA, Japão, Alemanha, por exemplo, são importantes devido ao turismo ou ao desenvolvimento científico e tecnológico?

O IINN e a UFRN são essenciais para o desenvolvimento do RN. Já trabalham em parceria. Em nenhum momento da entrevista isso é questionado.

Não li até hoje nada sobre essas questões bioéticas nas pesquisas do Instituto. Li, sim, algumas reportagens elogiosas sobre o trabalho do neurocientista, que nos últimos tempos passou a ser cotado para o Nobel (principalmente pelas pesquisas sobre o Mal de Parkinson).

Hoje, na Tribuna do Norte (aqui), o Governo do Estado é desmentido pelo diretor do Instituto. O governo, através, da Fapern, divulgou que repassou 412 mil para a instituição. O dinheiro não chegou.

Os setores de educação e científico no Brasil já são tão esquecidos e mal tratados que seus líderes e intelectuais deveriam se unir para cobrar mais recursos e apoio e não ficar brigando pelos jornais. Isso, sim, é por demais lamentável.

Comments

There are 9 comments for this article
  1. mario ivo 16 de Julho de 2010 16:27

    lamentável, resume tudo, ou quase. já tinha entreouvido críticas de professores da ufrn à visibilidade q nicolelis consegue ter (e, mais, a um suposto egocentrismo do cientista e aos tantos milhões q consegue captar). ou seja: poderia ser mais um caso de disputa de egos (ou eggs) se o miguel desse atenção ao ladrar dos cães locais, o q não me parece o caso. o danado é a caravana do iinn conseguir ir adiante, na falta de veredas básicas. na tradição local, os representantes da ufrn gastam 200 palavras p o outro não falar 20.

  2. João da Mata
    João da Mata 16 de Julho de 2010 16:29

    Miguel Nicolelis vem à Fapern

    A diretoria da Fapern recebeu nesta segunda, (12/7) a visita do neurocientista Miguel Nicolelis, que esteve acompanhado dos executivos do Instituto Internacional de Neurociencias Edmond e Lilly Safra (IINN-ELS), Sidarta Ribeiro e Dora Montenegro.

    Durante a reunião, os diretores científico, David Leite e de Inovação Tecnológica da Fapern, Cláudia Machado, informaram a Nicolelis que até o final de julho seria repassado o valor de R$ 412,5 mil ao Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Interface Cérebro-Máquina (Incemaq), referente ao Acordo de Cooperação Técnica, frmado entre o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Fapern.

    Inaugurado em julho, o Incemaq foi criado com recursos do MCT e Fapern, na ordem de R$ 3,75 milhões. A sede será em Macaiba, com ramificações em diversas instituições como UFRN, USP, UFMG, UFPE e UNB, entre outras.

    Entre os objetivos destacam-se o de iniciar um programa competitivo de interface cérebro máquina,que contribua para diminuir as desigualdades científicas e sociais no Brasil, que tenha forte impacto mundial e que promova a inovação, transferência de tecnologia e desenvolvimento soberano.

    De acordo com a Portaria 429/2008, do MCT, “Os Institutos Nacionais serão formados por uma instituição sede, caracterizada pela excelência de sua produção científica e/ou tecnológica, alta qualificação na formação de recursos humanos e com capacidade de alavancar recursos de outras fontes, e por um conjunto de laboratórios ou grupos associados de outras instituições, articulados na forma de redes científico-tecnológicas”. O Incemaq tem o IINN-ELS como instituiução sede.

    do site da Fapern

  3. João da Mata
    João da Mata 16 de Julho de 2010 16:40

    Tácito e m. Ivo, espero que vcs tenham lido o que escrevi. Ninguem tá criticando a postura de Nicolelis em pedir na tribuma pública a milhoes .
    Na UFRN formamos, inclusive, um gpo para viabilizar esse instituto. Sera maravilhoso para o estado. E que bom que ele possa ganhar o nobel

    O que argumentei é que o dinheiro para pesquisa nao é fácil por mais que o projeto seja grandioso

    O que argumentei é que pode dar a carreta para o Nicolelis, mas nos queremos o nosso quinhão.

    O que argumentei é que no estado tb existe pesquisa outras

  4. Tácito Costa
    Tácito Costa 16 de Julho de 2010 16:52

    Li sim Damata. Apenas não concordei com os termos do seu post e os da carta, o que é natural num debate. Nesse seu comentário, você coloca em termos mais sensatos a questão.

  5. João da Mata
    João da Mata 16 de Julho de 2010 17:08

    do post de Tácito

    “Os EUA,
    Japão, Alemanha, por exemplo, são importantes devido ao turismo ou ao
    desenvolvimento científico e tecnológico? ”

    esse paises citados por voce, meu amigo, investiram forte em pesquisa. Muito muito dinheiro mesmo.
    Eles tb são fortes em ciencia e tecnologia, por isso.

  6. alexandre gurgel 16 de Julho de 2010 18:28

    Ei, galera, bora parar com esse guere guere e trabalhar juntos. Daqui a pouco seu Nicolelis pega o beco e aí vai ser uma beleza!

  7. Alex de Souza 16 de Julho de 2010 20:18

    Os senhores ‘complexos’ da UFRN são muito complicadinhos. A carta publicada entra para o rol das maiores vergonhas alheias que senti neste ano, que mal meiou.

  8. Paulinho 16 de Julho de 2010 21:34

    Pensei em comentar a carta dos professores Edgard Assis de Carvalho e Ceiça Almeida. Mas Tácito disse tudo. Trata-se de um episódio lamentável e incoveniente. Pena que um grupo tão legal quanto o da complexidade (Ceiça é uma intelectual de peso) se perca em picuinhas. É óbvio que a reclamação de Nicolelis tem sentido e ele precisa de todo o apoio.

  9. Ricardo Amaral 14 de Maio de 2011 18:57

    Só tenho uma coisa a dizer: quem conhece Miguel Nicolelis além das entrevistas e mídia, quem conviveu/convive com ele sabe quem ele é…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP