sobre a mesa

sobre a mesa
retratos de família
perfumes
desodorantes
creme para mãos
sobre a mesa
relógio
cadeado
carregador de celular
a bíblia até
sobre a mesa
carteira aberta
cartões jogados pós compra
sobre a mesa
calendário
cachaça envelhecida
crucifixo
com cinco pai nosso
e cinquenta ave marias
sobre a mesa
pente
agenda não usada
remédios
sobre a mesa
computador
mãos solitárias
digitando em busca de um sorriso
sobre a mesa
boletos bancários
lápis
velas pós morte
sobre a mesa
poeira
carregador de celular
celular sem rede
quando meu amor ligar
vai dar em caixa
sinal aqui é ruim
sobre a mesa
um cerra pra unha
tenho um fungo
sobre a mesa
moedas em miaeiro
sobre a mesa
nada

Comentários

Há 7 comentários para esta postagem
  1. Oreny Júnior 30 de setembro de 2011 12:18

    Queridas, Ednar, Anne, Romana
    Grato pelas mesas, comunhão. Anne, Isadora me falou que te conheceu, legal. Escrevo de longe, Mato Grosso do Sul, a família fica em Natal, visito-os a cada 45 dias. Breve nos conheceremos.
    Felicidades

  2. Romana Alves Xavier 30 de setembro de 2011 8:57

    O destino foge da ordem e embaralha nossas vidas como cartas espalhadas na mesa…

    Gostei!!!

  3. Anne Guimarães 29 de setembro de 2011 21:21

    Oreny querido…
    Adorei os versos livres,
    tão soltos quanto os desejos
    de materializar os afetos fundamentais.
    Um abraço n’alma.
    🙂

    PS: Descobri sua filha pela Universidade…
    um doce de menina.
    Parabéns!

  4. Ednar Andrade 29 de setembro de 2011 16:58

    Só eu entendo a ordem da minha desordenada mesa.

    É por aí… Oreny.

    Dia desses estive pensando e até comentei, em como meu canto de escrever tem uma desordem que só eu ponho em ordem e só se desorganiza se outro puser a mão…

    Abraços, querido.

  5. Oreny Júnior 29 de setembro de 2011 16:10

    Prezados, João e Marcos
    Obrigado pelos comentários, são as mesas sagradas de cada dia, esta por exemplo guarda saudades, distâncias desorganizadas entre Natal e Mato Grosso do Sul.
    Abração

  6. Marcos Silva 29 de setembro de 2011 12:06

    É comovente ler a vida desorganizada.

  7. João da Mata 29 de setembro de 2011 10:03

    meu primo Oreny, saudades.
    Gostei de sua mesa desorganizada. Tb tenho a minha nessa desordem. Da mesa para a gaveta é uma desordem toda. Não creio que isso mudará com o tempo. E entropia do universo tende a aumentar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo