Sobre como Arez é mais um patrimônio histórico potiguar inexplorado

Um sujeito forte, de olhar mortífero e desconfiado, à sombra de um boné, me situou quanto ao itinerário:

“Aqui é Carnaúba”.

É um distrito de Senador Georgino Avelino, cidade vizinha ao meu destino, Arez, esta a segunda vila fundada na então capitania do Rio Grande, em 1760, cuja história registra presença de piratas franceses e espanhóis desde o final do século XVI, no escambo com índios por madeiras nobres, sobretudo pau-brasil – Extremoz foi a primeira.

Isso foi na última quarta-feira (23), dia em que eu e o fotojornalista John Nascimento

15
Arez tem 14 mil habitantes e uma das igrejas mais antigas do Estado

saímos de Natal em busca de um paraíso perdido, em seu potencial turístico.

Por R$5,20 peguei o ônibus na praça central de São José do Mipibu rumo a Arez, casa de 14 mil habitantes e de diversas atrações para além de sol, mar e areia.

Ainda na estrada, vislumbro um naco de terra coberto por vegetação fechada,

com um cruzeiro cristão no centro, cercado por águas sossegadas.

Falo de um dos maiores patrimônios históricos desta esquina da América do Sul: a Ilha do Flamengo, encravada na Lagoa de Guaraíras, palco de uma batalha selvagem entre holandeses e portugueses, no tempo em que aqueles tomaram parte do nordeste da Coroa lusitana.

A Lagoa abrigou uma aldeia chefiada pelo cacique Jacumaúma, dissidente da antiga Papari, hoje Nísia Floresta – sua taba ficava na atual Usina Estivas, enquanto outro aglomerado indígena sob seu poder ficava na Lagoa de Aranum.

Esse pacote cultural fica distante 60 km da capital potiguar, à espera de um olhar sensível ou da gritaria generalizada por investimentos equivalentes a meia dúzia de suingueiras patrocinadas a fole por prefeituras.

Antes das 09h estávamos em companhia de Ricardo Dantas, coordenador da Secretaria Municipal de Cultura e de Eclécio Fernandes, gestor ambiental e funcionário da Secretaria do Meio Ambiente.

Ao chegarmos à Lagoa, uma notícia preocupante: a maré baixava, o que vetava barco em direção a Ilha.

Era atolar o pé no mangue ou voltar outro dia.

APA Bomfim-Guaraíras

Seguimos por uma trilha ainda em terra firme, dentro da Área de Preservação Ambiental Bomfim-Guaraíras.

É uma porção do RN com 42 mil hectares, delimitado em 1999 via decreto estadual – mas só dez anos depois o Ministério Público começou a caçar licenças de carcinicultores; a partir de 2012, o IDEMA começou a explodir viveiros para, enfim, o manguezal se restabelecer e a fauna revigorar.

Hoje Senador Georgino Avelino e Arez formam um conjunto natural importante para o ecossistema do Estado, em um corredor ecológico que vai até Baía Formosa.

7
Ecossistema da Lagoa revigorou com fim da carcinicultura

Quem me explicou tudo isso, no dia seguinte a minha ida a Arez, foi Gustavo Szilagyi, geógrafo, mestre em desenvolvimento regional, professor universitário, ex-diretor do IDEMA e atual supervisor de fiscalização ambiental da prefeitura de Natal.

Segundo ele, “A APA Bomfim-Guaraíras é da categoria de uso sustentável. É administrada pelo IDEMA e teve por principal objetivo salvaguardar e manter os recursos hídricos. É uma APA muito extensa. Envolve também a Mata Atlântica, extremamente importante para o Estado, pois na Lagoa do Bomfim é de onde parte a adutora Monsenhor Expedito, que abastece 23 municípios da região Agreste e Trairi. E essa APA ainda não tem um plano de manejo, não está regulamentada”.

A Ilha do Flamengo também é um importante berçário de aves silvestres.

Gustavo foi professor de Eclécio, nosso guia na jornada e morador de um sítio deslumbrante às margens da Lagoa.

O jovem de 20 anos empunhava um facão e nos explicava as dificuldades enfrentadas para manter o equilíbrio ambiental na redondeza.

“Nossa maior dificuldade aqui é a questão do desmatamento e do cuidado com o lixo. Um exemplo disso é que algumas pessoas utilizam a Lagoa de Guaraíras para divertimento no final de semana, mas deixam garrafas e sacolas plásticas na margem. Aí a maré enche e as correntes marítimas levam para outro espaço. Isso polui o mangue, alguns animais comem esse lixo. Aqui já aconteceu de tartaruga, que sempre tem entrado na Lagoa, comer esse lixo e morrer. E nas matas é o desmatamento, com frequência”.

Na medida em que nos aproximávamos da Ilha, o solo amolecia, com aquela pasta acinzentada e odorenta cada vez mais acima da canela. Para firmar o pé era preciso enfrentar uma espécie de corredor polonês de mariscos sob a lama. Qualquer vacilo, abriria um talho.


Ilha das lendas

Um dos cronistas holandeses da época das Invasões, Joan Nieuhof permaneceu no Brasil entre 1640 e 1649, a serviço da Companhia das Índias Ocidentais.

Assim ele descreveu a Ilha do Flamengo, em seu livro Memorável Viagem Marítima e Terrestre ao Brasil:

“No lago de Groaíras, há uma quantidade incrível de peixes e a região produz farinha em grande escala. Daí vieram os fartos abastecimentos de carne e peixe para as nossas guarnições da Paraíba e outras partes, durante a rebelião dos portugueses”.

Em língua indígena, Guará significa ‘Pássaro’, e Iras, ‘peixe’.

Senhores da Ilha, os holandeses edificaram uma casa-forte no alto do terreno, voltada para onde fica a atual Tibau do Sul.

6
Ilha do Flamengo fica na Área de Preservação Ambiental Bomfim-Guaraíras

Duas trincheiras de tropas luso-brasileiras, comandadas pelo ‘governador dos pretos’ Henrique Dias, massacraram 40 neerlandeses e um sem número de índios e escravos africanos “[…] não perdoando o sexo nem a idade”, segundo relato do Frei Rafael de Jesus.

O confronto durou toda a madrugada de 06 de janeiro de 1648, e somente cinco holandeses conseguiram fugir.

Trinta anos após a matança, os jesuítas fundaram a aldeia de Guaraíras – apesar dela existir em caráter oficioso desde 1647.

Seria a origem oficial de Arez.

E de lendas, como a existência de tesouros enterrados e de espíritos dos mortos na batalha a vagar e atormentar curiosos.

Semanas após a leitura de Luís da Câmara Cascudo, Tavares de Lyra, Olavo de Medeiros Filho, Marlene da Silva e Luiz Eduardo Brandão Suassuna e do Monsenhor Paulo Heroncio de Melo, venci o mangue o cheguei a Ilha do Flamengo.

Foto: John Nascimento
Lixo abandonado por frequentadores da Lagoa chega ao coração da Ilha

Logo de cara, uma triste constatação: garrafas pet, copos d’água, sacolas de supermercado, latas de cerveja e até um sapato nos lembravam de que a besta humana é incansável, incurável e chega aos recantos mais impossíveis.

Uma trilha íngreme força o visitante a pensar que todo esforço é pouco para vivenciar um lugar místico, com resquícios de um passado que o poder público insiste em nos negar.

Dois minutos antes de chegarmos ao centro da Ilha, vejo o buraco profundo cavado por um antigo morador, após sonhar com moedas de ouro enterradas nos Seiscentos – algo comum durante os séculos de colonização das Américas.

Um urubu nos assusta, ao sair do buraco fantasmagórico.

Até que descemos uma encosta, diante de uma gameleira imponente, onde restos do fortim holandês estão incrustrados.

Se isso gera pouca ou nenhuma emoção em quem toma conhecimento dessas histórias através de livros ou pela boca de algum conhecido, lamento bastante.

Porque, para mim, ter a oportunidade de saltar das páginas impressas e sentir a brisa, o cheiro, o calor, em meio àquelas plantas tropicais, como sentiu um holandês do século XVII, teve algo mágico, algo inexplicável nesta nota alongada de Sábado de Aleluia.

Cansados, fizemos o percurso de volta com pressa – o nativo Ricardo desconhecia a Ilha naquela condição.

Tínhamos um canhão, um cemitério e algumas pessoas para conhecer.


A cidade

Foto: John Nascimento
Arez é bucólica, pacata, com encantos inesperados

A Ilha do Flamengo fica no distrito de Patané (de Pati-Hé, Palmeira ruim, que dá frutos mirrados), coisa de cinco minutos do centro de Arez.

Como em todo lugar, existe um ranço entre a sede do município e seus ‘afluentes’ – assim como o natalense da Zona Sul debocha do da Zona Norte e com mossoroenses.

Uma besteira sem tamanho.

Sei que a tarde iniciava, senhoras mostravam sua arte em renda de labirinto nas calçadas e o dindim de mangaba (R$0,75) amenizava a fúria do Astro-Rei.

Fomos ouvir o prefeito Erço de Oliveira Paiva, em seu ultimo ano de administração.

Indagamos sobre o que foi feito nesses quase oito anos de gestão para divulgar a cidade, oferecer estrutura aos forasteiros e revelar a riqueza cultural do entorno às crianças aresenses.

Eis sua resposta:

Arez_Canhão na praca
Peça de artilharia holandesa fica na praça central

“Nós sabemos que a cultura é importante, a história, a tradição deve ser preservada. Com relação a Ilha do Flamengo, há um projeto nosso de fazer um terminal turístico. Já existe o projeto. Isso demanda uma parceria com o Ministério do Turismo, mas com essa crise a gente não conseguiu ainda alguma verba”.

O prefeito informa que seriam necessários quase dois milhões de reais para a construção do terminal e que sente orgulho em guiar o destino de um lugar de história tão rica.


Do canhão ao frontal

Após a breve entrevista, conhecemos o frontal do cemitério de Arez, bloco arquitetônico em estilo rococó dos mais impressionantes neste Estado, construído pelo Frei Herculano, em 1882.

O Frei nasceu Hermenegildo Vieira da Costa, em Uiraúna, na Paraíba. Ordenado sacerdote pelo Seminário de Olinda, ele mudou de nome e peregrinou pelos dois Estados, vestido com o hábito de são Francisco.

As colunas da ordem coríntia dividem o frontal em cinco partes, com arcada central de acesso (o portão original foi roubado) e quatro painéis ornamentados para nos congelar, diante tanta beleza.

O monumento é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o IPHAN.

Bem perto dali, como um conjunto de obras emolduradas por um céu azulado e gente sorridente, a praça central e a Igreja Matriz nos obrigou a postergar a volta no horário programado.

Da conversa de mais de uma hora que tivemos com o tabelião Giovany Teixeira de Menezes (foto), homem viajado e de raro nível intelectual, saíram os pormenores que acercam Arez como uma realidade incompleta.

Foto: John Nascimento
Tabelião Giovany Teixeira é natalense, mas mora em Arez desde 1993

“O canhão, na verdade, se você observar, é diferente daqueles que tem lá no Forte dos Reis Magos. Outros só existem lá em Pernambuco ou aqui na Paraíba. E Arez tem um canhão. O que me chama atenção é que, certa vez, fui visitar a Europa e fui no museu da guerra em Paris e vi que os canhões de lá são iguaizinhos ao que tem aqui. Portugal não produzia armamento. Todo armamento que a Coroa tinha era comprado dos franceses ou dos ingleses. E o daqui de Arez não é característico dos portugueses e, sim, dos holandeses. Era uma coisa abandonada, não tinha valor nenhum, vivia jogado no meio da rua. Era uma coisa que ninguém queria, que servia de banco de pracinha. Foi na administração de um prefeito nos anos 1970, chamado José Ferreira, que colocaram naquele lugar e deram cuidado. Mas fizeram uma coisa que não deveria ter sido feita: entupiram de cimento, para que não ninguém jogasse lixo dentro do canhão”.

Um hipotético segundo canhão protagoniza outra lenda aresense.

Giovany diz que antigos moradores, via tradição oral, juravam que ele existiu e que o coronel João Aureliano de Lima, poderoso aliado de Aluízio Alves e primeiro prefeito da cidade (Arez foi alçada a essa categoria em 1938), teria escondido em sua fazenda.

Fato é que ninguém precisa o destino do objeto, cujo ‘irmão gêmeo’ decora a praça – ainda que Giovany acredite que o segundo canhão esteja na Ilha do Flamengo, soterrado pela mata.

“Eu não gostaria de fazer uma crítica a pessoa que está na prefeitura, mas, de um modo geral, a um descaso histórico. Eles não sabem o que é cultura. Não entendem o processo da cultura numa sociedade. Eles também não tiveram essa cultura, pois é preciso ter para dar valor a esse processo de transformação de um individuo. Quem administra um município que não abraça uma politica voltada para isso, simplesmente está fazendo papel de correntista de banco, só administrando conta corrente. Isso não é gestão, isso não é administração, não é desenvolver um município. É um faz de conta que eu administro e vocês fazem de conta que são administrados”.

Foto: John Nascimento
Mescla de portugueses, africanos e indígenas, aresenses constituem um dos povoados mais antigos do RN; vila foi fundada por jesuítas, em 1740

No trajeto de volta para casa, pensei no que disse o tabelião.

Três técnicas em enfermagem falavam sem parar, no micro-ônibus sacolejante que gasta mais tempo entre Parnamirim e o viaduto de Ponta Negra do que de Arez até o início do engarrafamento da Grande Natal.

A empolgação das mulheres era total.

De repente, toca o celular de uma delas, sonorizado por uma música estridente que entendi ser um dos atuais forrós de sucesso.

“Diz!”.

Ela abriu um sorriso, olhou para as amigas.

“Não, faz tempo que já sai. Tu num sabe que só volto amanhã?”.

É o desejo de quem visita aquele pedaço de chão com tantas possibilidades outrora chamado Vila Nova de Arez.

Fotografias: John Nascimento

Acredito que música, literatura e esporte são ansiolíticos dos mais eficazes; que está na ralé, nos esquisitos e incompletos a faceta mais interessante da humanidade. [ Ver todos os artigos ]

Comments

There are 11 comments for this article
  1. Caninde 26 de Março de 2016 23:31

    Parabéns!!! Pela matéria, fico um pouco triste, que alguns gestores esqueçam da cultura, esporte e principalmente o meio ambiente pois o homem é produto do meio, e essa cidade linda Arez quando posso sempre estou aí.

  2. Joelma Marques 28 de Março de 2016 6:41

    Parabéns Conrado. Bela matéria!
    Passei o nome de Eclécio Fernandes para Luzia, mas pelo que li você já o conheceu.
    Espero que volte a Arez e escreva mais sobre ela.

  3. Conrado Carlos 28 de Março de 2016 7:57

    Olá, Joelma! Obrigado. Dona Luzia me disse. Abraço!

  4. Sheyla 28 de Março de 2016 8:01

    Matéria maravilhosa! Dá gosto de ler!

  5. Conrado Carlos 28 de Março de 2016 8:18

    Valeu, Sheyla!

  6. Ceiça 28 de Março de 2016 21:25

    Parabéns pela matéria, pela aula de história do nosso Estado, desconhecida pela maioria dos moradores de Arês e também dos norte-riograndenses! Continue nessa missão linda de desbravar nossa cultura!!!

  7. Vicente Tomazi 28 de Março de 2016 22:48

    Muito bom! Parabéns! Gostei do jeito que escreve! Belas fotos também!

  8. Daniel Pessoa 29 de Março de 2016 10:29

    Parabéns pela matéria, vamos torcer q ajudem a divulgar nossa cultura, sempre foi esquecida por todos os gestores q pasdaram, um potência turístico q não é explorado.

    Obs:

    O distrito de Gerogino se chama Carnaúba.

  9. Conrado Carlos
    Conrado Carlos 29 de Março de 2016 12:49

    Obrigado Ceiça e Vicente!

  10. Conrado Carlos
    Conrado Carlos 29 de Março de 2016 12:51

    Beleza, Daniel, já acrescentei o “n” que faltou. Corrigido. Abraço!

  11. Pingback: SOBRE COMO AREZ É MAIS UM PATRIMÔNIO HISTÓRICO POTIGUAR INEXPLORADO | TOK de HISTÓRIA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP