Sobre o voto nulo e a questão da afirmação da passividade

Por Daniel Menezes

A política se faz com senso de proporção, nos ensinou certa vez a sociólogo Max Weber. Nem sempre – ou sempre? – é factível obter exatamente aquilo que o ator almeja, o que não significa afirmar que não é possível atingir ganhos processuais e paulatinos.

aqui

Comentários

There is 1 comment for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 + nove =

ao topo