Soneto de infância

Um colar de ceroto no pescoço,

Um chinelo c’um prego na correia,

Uma vaca de pau, outra de osso,

Uma bola de saco, pano e meia.

 

“Quick” ao leite quentinho de manhã…

A garrafa de bila quase cheia,

Um cascudo que dei na minha irmã,

Mas mãe soube depois e tome peia.

 

As cocadas de dona bacurau,

Um enxame de abelha na janela

E as pedradas que eu dava só de ruim,

 

Um dindin de banana com nescau,

Bicicleta sem freio na banguela,

Minha infância todinha foi assim…

Comments

Be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP