Sonetos / Bila Siqueira

Antologia Poética Potyguar

Se tu pudesses ver meu coração
E nele toda a dor que se retrata
Se tu pudesses ver como minh´alma
Acabrunhada pela dor que a mata…

Sofre… se ao menos tu saber pudesses
Quantos ais e suspiros ela solta
Se estampada tu visses no meu peito
A mágoa cruciante que a revolta

A sofrer sempre e num sofrer latente
E qual tal taça de fel que amargamente
Sorvo, na acerba dor de uma incerteza,

Talvez consolo minha dor tivesse
Numa frase de amor que alguém me desse
Sondando dessa mágoa a atroz grandeza

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 + treze =

ao topo