Sou tímido e espalhafatoso

Vou me espalhando como uma mancha. Embora eu amiúde silencie por não saber dizer o que quero.

Aí prefiro calar.

É isso que acontece agora: eu, por exemplo, quero agradecer ao Tácito pela gentileza; ao Lívio pela gentileza; ao Jarbas pela gentileza; ao Carito pela gentileza; …

Mas não sei.

Prefiro mesmo calar.

E calo

(sem nem sequer me desculpar pela incompetência).

Comments

There are 4 comments for this article
  1. Lívio Oliveira 17 de Fevereiro de 2011 14:43

    Calo(s) nos pés e pedras nos sapatos de quem vai ter que ouvir você.

    Mombaça,

    Não pare! Não cale! Não morra! Não corra!

  2. Daniel Caceres 17 de Fevereiro de 2011 15:34

    Deixe essa mancha contaminar o mundo. E cada um que se lambuze com ódio, prazer ou indifereça. Ou da maneira que melhor aprouver. Eu: me sujo e me limpo. Mas não me incomodo com as marcas deixadas.

  3. Jarbas Martins 17 de Fevereiro de 2011 20:03

    Poeta tímido,espalhafatoso,silencioso,cioso.

  4. Anne Guimarâes 17 de Fevereiro de 2011 20:24

    Seja bem-vindo, colega!
    Gosto do jeito que você descreve os sentimentos.
    Abraço em verso e prosa!
    🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP