Suketu Mehta: “Eu queria louvar Bombaim”

Por Cora Rónai

É impossível falar de “Bombaim: cidade máxima” (Companhia das Letras, tradução de Berilo Vargas) sem recorrer a mais adjetivos e superlativos do que recomendam os manuais da boa escrita.

aqui

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo