Summertime, É verão

Summertime
George Gershiwn e Ira Gershwin

Summertime,
And the livin’ is easy
Fish are jumpin’
And the cotton is high
Your daddy’s rich
And your mamma’s good lookin’
So hush little baby
Don’t you cry

One of these mornings
You’re going to rise up singing
Then you’ll spread your wings
And you’ll take to the sky

But till that morning
There’s a’nothing can harm you
With daddy and mamma standing by

É verão
Versão de Marcos Silva

É verão
E viver é mais livre,
Alimento
E dinheiro demais.

O teu pai vai rir
De prazer com a mãezona.
Então, nenenzinho,
Sem chorar.

Um dia desses
Acordarás bem cedinho,
Asas baterás
E p’r’o céu voarás.

Enquanto esperas,
Nada pode ofender-te.
Teus pais, sempre perto,
Sentirás.

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 3 comentários para esta postagem
  1. Marcos Silva 14 de julho de 2010 9:19

    Jarbas:

    Obrigado pelas palavras tão atenciosas. Ser aproximado de Bandeira (“é demais pro meu coração”, Haroldo Barbosa e Luiz Reis) é uma grande alegria para mim: considero “Bacanal” no nível de um Fernando Pessoa.
    Não conheço versões de músicas que ele tenha feito. Bandeira escreveu a bonita letra de “Azulão”, que virou um clássico brasileiro. E fez rasgados elogios à letra de “Chão de estrelas”.
    Abraços:

  2. Jarbas Martins 14 de julho de 2010 7:10

    Não só uma doce traição, Marcos.Uma fluente, viva e criativa versão que Manuel Bandeira, sem dúvida, abonaria…Falar nisso,você conhece alguma versão de letra de música, de Bandeira ? Acho que ele não chegou a fazer, não, como Drummond fez das letras dos
    Beatles.Acredito que, se tivesse feito, o modelo que seguiria seria esse seu: despojamento, liberdade, candura. Coisas que a canção e o coração pedem.Abraços.

  3. Jarbas Martins 13 de julho de 2010 21:00

    Que doce traição, Marcos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo