Tag: Conto

Foi em 1888. O lugar era – e ainda é – lindo e ensolarado, banhado pelos verdes mares, os mares verdes do Brasil: Pirangi. Começou com uma castanha de caju que Seu Luís pescador decidiu plantar perto do mar, em vez de juntar com outras castanhas e assar junto com a esposa para vender na […]

Continuar Lendo

Tinha terminado de lavar a escadaria quando o cachorro de Honório passou de supetão e escorregou bonito naquele ladrilho de lume fosco. Escorregou, mas foi num repente que se ergueu e voltou a correr desarvorado, cachorro mais besta, só pensa em brincar. Eu tenho minhas obrigações, não sou de dar corda a bicho, em casa […]

Continuar Lendo

Projeto promove o encontro entre literatura e psicanálise uma vez por mês em Petrópolis. O conto “Luz e Sombra”, do famoso livro Morangos Mofados, escrito por Caio Fernando Abreu, será o próximo o texto a ser debatido e entrelaçado com a psicanálise contemporânea, no Projeto Psicanálise e Literatura, promovido pelo Percurso Livre em Psicanálise (PLP), […]

Continuar Lendo

A rua era uma dessas vias largas, pavimentada com pedras de tamanho quase uniforme, com casas e sobrados, algumas mais do que cinquentenárias, advindas de um tempo em que ainda se podia desfrutar de muros baixos, jardins e árvores nas calçadas. Marcos foi visitar um amigo num hotel na mesma rua e aproveitou o clima […]

Continuar Lendo

Conto escrito em homenagem ao russo Nikolai Gogol, publicado originalmente na revista Preá (RN). Todos o chamavam ‘Omagro’; assim mesmo, tudo junto. Ele era completa languidez, totalmente desproporcional em um metro e noventa e três centímetros. Geralmente não sentia fome, mas comia; outras vezes, tinha vontade de comer, mas a dispensa estava vazia. Num desses […]

Continuar Lendo

Juremir cruzou o jardim até o carro. Uma dessas manhãs de dispersão branca. “Divirta-se no escritório”, acenou da porta a esposa. A esposa pôs no microondas a comida das crianças. As crianças saíram para esperar o ônibus na calçada. O cachorro latia com o sprinkle. O homem da dedetização chegara e, agora, borrifava veneno na […]

Continuar Lendo

Nas ruas velhas de Hydra os paralelepípedos socados pelo tempo serpenteiam morro acima, ladeados por casinhas brancas organicamente empilhadas até o mar. Foi para essa ilha grega provinciana de murinhos desgastados que Cohen zarpou aos vinte e poucos, logo após ouvir-lhe o nome pela primeira vez, numa tarde londrina, logo cinza e chuvosa, de um […]

Continuar Lendo

Sempre imaginei um último comercial da Sukita, em que o Tio da Sukita voltaria para o apartamento solitário após o fora, a festinha ainda truando no apê de cima. Ideias viciosas acossam-no o restante da noite. Finda a festa, espera a Ninfeta Sukita sair; ela vem com um amigo, o tipo coxinha fitness, filho de […]

Continuar Lendo

Acorda e ouve um gigante caminhando sobre a cidade. O verão ainda abafado, essas últimas semanas. Não é mesmo? Rostos empoleirados nas gaiolas oleosas; o chão que treme. Estranho, cisma. Sempre um gigante, quando acorda. Adormece; mais tarde, sente febre. As cobertas estão empoeiradas. Tarde passada, sentado num banco de praça, registrou isto, no verso […]

Continuar Lendo
Vá para Topo