Tempos de liberdade

DE FRANÇOIS SILVESTRE:

“Nunca tantos foram tão livres quanto agora. Estamos todos soltos. Os honestos e os ladrões. Nas estradas, fim de tarde e início da noite é hora das quadrilhas. Param os carros, fazem o rapa e vão dormir. Pela manhã, com as quadrilhas dormindo, é a vez da polícia. Param os carros e revistam documentos.

Nunca se encontram. A polícia e as quadrilhas. Cada qual na sua hora de trabalho. Não se perturbam mutuamente. E os honestos se viram como podem. Entregam o que têm aos bandidos e mostram os documentos à polícia. Cada coisa na sua hora. As quadrilhas trabalham à noite e dormem de manhã. A policia trabalha pela manhã e descansa à noite.

Estamos todos municiados com hábeas-corpus preventivos. Os honestos e os ladrões. O ladrão com o direito de ir e vir e o honesto com o direito de ir e talvez não vir.”

ao topo