Teu nome é Pedro…

pedro

Um pedaço de pão,
(Teu alicerce de vento)
Uma bebida forte,
Um gosto amargo
Na garganta e a total
AUSÊNCIA DE FOME
Sussurro… “Silêncios…”
Um gemido, um grito sufocado pelo abismo.
Uma pedra no peito,
Uma ânsia inútil… Buscando na ilusão
O que resta de um afago,
A descrença da mão.
“A solidez da solidão…”
As chamas, as cinzas…
Que o vento arrasta para além do real…
Lâmina afiada, coração desfeito,
Sem jeito, partido, morto,
Jogado no chão.
QUE O MEU CALAR TE SEJA PAZ…
Que minha tristeza te seja PRECE…
Que minhas lágrimas sejam teu veneno,
Que delas te alimentes e maldigas tua falsidade…
Eu: olhando-te
Maldigo o sentimento que mais amei…
Quero cuspir ou vomitar… As tuas pedras,
Escarrar sobre o amor que um dia senti por ti,
Quero estrangular as tuas juras de amor,
Depois te ver lentamente em mim morrer
Sepultar-te e ser sepultada também em ti.
E na lápide escreverei apenas:
JAZ…
Quero arrancar da pele os arrepios que senti um dia,
Virar do avesso as areias do querer,
Para plantar e cultivar esquecimento.
E… Assim como ser livre… Bater as asas…
Como anjo… Sem remorsos…
Apagar como numa lousa o giz…
E ”desescrever’… O que escrevi.
Desbotar as cores daquela primavera,
Desmascarar o teu rosto, rasgando tua máscara!
(Pintar-te de palhaço.)
APALUDIR TUA CANALHICE.
Rasgar com minhas mãos o teu peito,
Só… Para… Sentir se o teu coração bate,
Se és gente, se és carne… Ou apenas cinismo…
Morder e mutilar teus dedos,
Para não mais escreveres mentiras.
E chamá-las, dúvidas… (…)…
Um instinto animal de mim se adona…
Estou ferida, quase morta;
Ai… Comigo carrego uma certeza:
Teu nome é “Pedro”
“Negas”… Mas não me trais,
A ti traístes…
Por isso te condenas,
UMA BEBIDA FORTE, UM PEDAÇO DE PÃO…

Comentários

There is 1 comment for this article
  1. Jefte Lemos 29 de maio de 2011 20:33

    Querida Ednar , continuo me encontrando nas suas palavras…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo