Theodorus Beeda

Anunciou o seu cedo compromisso
a luz que era o método do sonho
alternados os personagens do universo
no encontro em que se inseria o mágico
o intercâmbio da palavra mentira a espuma
e o erro da estrada não percorrida.

Era ele Theodorus, o Leão de Barbalho,
o santo o David que se agigantava na frente
uma alma de um instrumento caiu caiu do cello
e o novo instrumento se criou pelo luthier
formoso o céu ouviu o azul que vinha da terra
e a voz projetada dos matos banhados de mar.

E saiu ao encontro de um novo irmão aquele
que nem anjo nem demônio nem homem
anunciou-se seu novo (i’m)posto bêbado
era o topo do vestígio o vício o vácuo o voo
até o chão o voo. Até o chão. O voo.

Advogado público e escritor/poeta. Membro da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo