Tia Severa

a Oreny

Minha tia ficou velhinha com os gatinhos
Mora só com o Toinho e Toinho é só.
Severina a vida da tia lembrança.
Rezava o teço e dizia um palavrão
A tarde sorria quando ela vinha trazendo revistas.
Muito avançada os seios eu via.
Foi quando descobri a Epifania
No banheiro aberto fazia xixi. Depois alfinin.
A carícia enruga e desguia o tempo vestindo cambraia
Embalando cantigas lembro do fado da vida Severa.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

There is 1 comment for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × quatro =

ao topo