Tim Tim no Tibet

De Cora Rónai, no Twitte:

“Aqui mora um grande poeta: Tim Tim no Tibet – http://bit.ly/cxkRHl Busquem os posts antigos, revirem tudo. É o máximo”.

**********

Já dei uma rápida olhada. Gostei. Aproveito para reproduzir um poema do poeta, que usa o pseudônimo de Alcipe (D.Leonor de Almeida Portugal, Marquesa de Alorna, nome literário Alcipe (1750 – 1839), conforme informação publicada no próprio blog.

*********

para o Luís Quintais

Foi a noite junto à igreja de Diu
ou a tarde que entrámos nas grutas de Elefanta?
Há na tarde para sempre perdido um navio
e há na noite um demónio sinistro que canta.

Os deuses que avistámos na loucura mansa
vingaram-se de nós com seu simples durar
e o Cristo que trouxémos na guerra e na bonança
fez-se deus nesta terra e perdeu-se do mar.

Foi a noite que trouxe este manso esquecer
em que a História se deu no passo de uma dança
e nos chamam de longe os que vieram morrer
além da sua terra e aquém da lembrança?

Foi a noite a entrar na igreja de Diu
ou a sombra de Deus na ilha de Elefanta?
Shiva hermafrodita desta cave sorriu
e o mundo se fez contra toda a esperança!

ao topo