“Todo mundo já foi uma figura decorativa”, diz Catherine Deneuve em São Paulo

A convite da distribuidora Imovision, a atriz francesa Catherine Deneuve está em São Paulo para divulgar o filme “Potiche – Esposa Troféu”, com estréia prevista para o próximo dia 24. No longa dirigido por François Ozon, a diva é uma madame casada com um empresário, e não passa de um figura decorativa. Mas chega um momento que sua vida sofre uma reviravolta.

aqui

Comentários

Há 6 comentários para esta postagem
  1. Lívio Oliveira 9 de junho de 2011 11:45

    Quero só lembrar (principalmente, aos apreciadores de Deneuve), que Natal também é uma das cidades que recebem – a partir desta semana – o Festival Varilux de Cinema Francês 2011.

    Fiquem antenados, porque é um evento e tanto. Natal está mesmo merecendo coisas desse tipo.

    Tácito já colocou na agenda (lado direito do blog).

    Destaco que há mais detalhes no site de nossa mais que amada Aliança Francesa de Natal: http://afrnatal.wordpress.com/

  2. Luis Sávio Dantas 9 de junho de 2011 10:30

    Marcos, o que escrevi, é uma interpretação livre e extraída da memória da leitura feita já há muitos anos. Agora, embora o próprio Vadim conte no livro os inúmeros chifres que as beldades lhe colocaram, há uma ponta de inveja em qualquer homem em pensar que alguém já teve essas deusas nos braços, e pensar que isso é talento não deixa de ser compensador.
    saudações para voce.

  3. Jarbas Martins 9 de junho de 2011 9:04

    E este sorriso de Deneuve,
    melhor que os rizomas de Deleuze ?

  4. Lívio Oliveira 9 de junho de 2011 8:22

    La Deneuve: Deusa viva!

  5. Marcos Silva 8 de junho de 2011 21:53

    Sávio:

    Tenho dúvidas sobre o talento de Vadim em qualquer área. Desconfio que as mulheres que o levaram para a cama conseguiram extrair alguma coisa de sua incompetência generalizada. A irmã de Catherine, Françoise Dorleac, não tinha talento? Conta outra!

  6. Luis Sávio Dantas 8 de junho de 2011 21:15

    Delicioso é ler as memórias de Roger Vadim onde ele conta vários episódios dos seus casamentos, começando por Bardot, depois Deneuve, e Jane Fonda, com atriz Anette entre Deneuve e Jane Fonda. Pelo que Roger Vadim conta, Deneuve era apenas a irmã bonita de uma atriz sem muita expressão, então ele com seu talento como diretor e com mulheres boitas ao conhecê-la, percebeu estar diante de um talento e etc… e logo, logo, segundo Vadim, Deneuve se impôs e mostrou ser uma mulher muito forte, e etc…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo