Três homenagens a Mindlin

Amigos e amigas:

Mindlin, sempre vivo, deixa trës preciosos motivos para ser eternamente homenageado:
1) O amor pelos livros. O que está em jogo é muito mais que papel e tinta. Ele amava (e nós amamos) as experiëncias humanas a que os livros dão acesso.
2) A doação de um precioso acervo a uma universidade pública. O que estava em jogo não era acumular objetos com alto valor de mercado para exibição fútil. O pensamento ali contido sempre foi compartilhado e agora o será de forma ampliada porque está ainda mais acessível.
3) A recusa, como rico empresário, a contribuir para a OBAN e as chantagens de Boilesen (que arrecadava fundos para torturadores durante a trágica ditadura brasileira de 1964/1984). O que estava em jogo era Ética, um bem muito precioso e sem preço.
Abraços a todos e todas:

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

ao topo