Tutti buona gente (uma proposta humilde)

Amigos e amigas:

Essa história de quebra do sigilo fiscal de candidatos já encheu a paciência de todos. Sim, o sigilo é coisa séria e sua violação é crime – sugiro cadeia para os responsáveis e investigação sobre a retaguarda do ato. Mas estamos falando de gente honesta (as vítimas da quebra do sigilo), não é? Alguém supõe que Serra, sua filha, seu genro e o resto da família cometeram alguma falcatrua na vida? Jamais! Diante desse absurdo, sugiro que a família Serra e as demais famílias de candidatos a cargos executivos (Roussef, Silva etc.) demonstrem quão desqualificados são aqueles violadores com um simples gesto: abram publicamente o sigilo de suas declarações. Daí, re-constataremos que são todos honestos (como já sabíamos antes, claro) e votaremos na santa paz de Deus. Esse gesto poderia até criar antecedente de honestidade – para não dizer jurisprudência: doravante, todo candidato a cargo executivo registraria sua candidatura junto com o ato de tornar públicas as declarações de bens e rendimentos dele e dos familiares próximos. Isso até melhoraria a imagem dos políticos na medida em que entenderíamos como os bens que detêm, inclusive contas em paraísos fiscais,  são compatíveis com os reais rendimentos de cada família (famiglia, como se diz na Itália e em setores italo-americanos de New York) do setor.
Abraços a todos e todas:

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − sete =

ao topo