Um ano triste para o cinema nacional

a erva do rato

“Não, este não foi um bom ano para o cinema brasileiro. Ok, a bilheteria vai crescer em relação a 2008, puxada pelo sucesso de “Se Eu Fosse Você 2″. Mas, em termos de qualidade, não há muito o que comemorar. Por isso, não farei uma lista de melhores filmes nacionais de 2009.

No ano passado, foi o contrário: o público diminuiu, mas não faltaram grandes filmes. Para começar, houve a obra-prima “Serras da Desordem”, de Andrea Tonacci. E também um belíssimo documentário (”Pan-cinema Permanente”, de Carlos Nader), um ponto alto na carreira de um cineasta consagrado (”Linha de Passe”, de Walter Salles), a volta por cima de um veterano (”Encarnação do Demônio”, de José Mojica Marins), o melhor filme da carreira de outro (”Nome Próprio”, de Murilo Salles).

A rigor, na minha opinião, só houve um grande filme nacional em 2008: o pouco comentado “A Erva do Rato” (foto), de Julio Bressane, que mais uma vez nos lembrou que adaptação é um trabalho de invenção. Além disso, apenas uma bonita estreia em longa de Eduardo Valente com “No Meu Lugar”, um início de carreira promissor para o jovem Matheus Souza com “Apenas o Fim” e um ou outro documentário simpático.

Para ser justo, não vi dois filmes bem recomendados por colegas: “Hotel Atlântico”, de Suzana Amaral, e “É Proibido Fumar”, de Anna Muylaert. Se conseguir vê-los até o final do ano e me fizerem melhorar minha opinião, escrevo aqui. Ah, sim, preciso confessar que não sou um fã de “Moscou”, último filme de um do grande Eduardo Coutinho, mas respeito imensamente os riscos que ele decidiu correr com seu documentário.

De resto, algumas decepções (”Besouro”, “Budapeste”, “Garapa”, “Salve Geral”), a confirmação de que o nível médio do nosso cinema “popular” está muito baixo (”Os Normais 2″, “A Mulher Invisível”, “Divã”) e muitas produções abaixo da crítica.

Agora é torcer para que 2010 não apenas confirme as previsões de boas bilheterias, mas que permita uma lista de melhores filmes brasileiros no final do ano.” Ricardo Calil (IG)

ao topo