Um choro abafado no escuro (3ª e Última Parte)

Para ler a primeira parte do conto, clique aqui – Para ler a segunda parte, clique aqui.

Ainda não tinha se acostumado e viver naquele lugar sem alma, que não reconhecia, e talvez nunca se acostumasse até o fim de sua vida. Mas foi ali onde – quem diria? – reconhecera depois de mais de quarenta anos um dos seus torturadores do DOI-CODI. Um velho de aparência jovial, atarracado, a pele avermelhada pelo sol: ninguém diria, ao vê-lo sentado na mesa de uma cafeteria com sua esposa, que adorava jogar álcool nos olhos e nos ouvidos de jovens amarrados numa cadeira. Devia ter quase oitenta anos, o pouco cabelo que lhe restava totalmente branco, as rugas esculpindo impiedosamente em seu rosto a passagem do tempo, mas Emanoel o reconhecera imediatamente. Nunca esquecera aquele olhar incolor, distante, um dos primeiros com quem se deparara após ser sequestrado, um olhar burocrático que permanecia impassível enquanto praticava as mais sofisticadas sevícias. Enquanto o observava, com o corpo sacudido pelos choques que aquele homem aplicava metodicamente em seus genitais, se perguntava se aquela impassibilidade não escondia um deleite selvagem, inominável. Tinha certeza daquilo: em seu íntimo só podia estar gozando; não havia outra explicação para aquele desatino.

Devia estar de férias com sua mulher e não o reconhecera. Tinha perguntado se podia pegar uma cadeira vazia na mesa onde o velho estava sentado, de propósito, só para ver se se lembrava dele, e o homem respondera sem o menor aceno de surpresa ou assombro. O olhara nos olhos, vira seu rosto e não o reconhecera. Mais de quarenta anos antes o tinha torturado por semanas a fio, todo dia, mas sequer lembrava o rosto dele! Quando o homem e a esposa saíram da cafeteria no shopping onde os tinha encontrado, os seguira discretamente até descobrir que estavam hospedados num flat no bairro de Ponta Negra. Passara alguns dias observando suas rotinas e se dera conta de que, todo final de tarde, enquanto a esposa ficava no apartamento para descansar, apanhava um táxi na porta do flat para ir caminhar à beira da praia.

Achava engaçado que o velho tivesse sido sequestrado no dia em que a seleção brasileira, pela qual ele ficara arrebatado quarenta e quatro anos antes num bar em Copacabana, sofrera sua maior derrota num gramado, perdendo por sete a um contra a Alemanha na semifinal da segunda Copa do Mundo jogada em casa. O jogo tinha atrasado a saída do velho para a praia e Emanoel estava a ponto de desistir, achando que naquele dia não iria mais caminhar, mas de repente o vira saindo do portão do flat e acenara do outro lado da rua para o taxista, um velho amigo que tinha aceitado ser cúmplice na operação. Estava cabisbaixo, atônito, visivelmente transtornado e Emanoel pensara que era a primeira vez que o via manifestar alguma emoção. O táxi, ao invés de se dirigir para a orla, dera uma volta ao quarteirão. Emanoel estava aguardando numa rua lateral e quando o veículo acostara ao seu lado abrira a porta e subira rapidamente. O velho não tivera tempo de reagir. Anunciara o sequestro, encapuzara a vítima e a obrigara a ficar abaixada, segurando sua cabeça. Lembrara-se das garras que o asfixiavam no carro sem placa onde fora sequestrado quarenta e quatro anos antes; uma mistura de álcool, incredulidade e medo arrebentando sua cabeça e estraçalhando as fagulhas de alegria que o haviam incendiado minutos antes. O que estaria sentindo, no que estaria pensando naquele exato momento aquele velho? Estaria igualmente perplexo e assustado? Com luvas nas mãos, pegara o celular do homem e o jogara pela janela para evitar que pudessem rastreá-lo. Levaram o velho para a garagem da casa de Emanoel, no bairro de Lagoa Nova, uma antiga morada que resistia acerrimamente à especulação vertical. Tinha colocado papéis de isolamento acústico em todas as paredes, sem mais preocupações.

se escutarem? que escutem, como escutavam os que moravam nos bairros onde nos flagelavam a qualquer hora do dia e da noite, nem se preocupavam em botar proteção acústica, bastava um rádio tocando alto e nossos gritos se perdiam no ar, todo o mundo escutava e não ouvia, casas de tortura no coração de bairros “nobres”, que palavra ridícula para referir-se a essa escória, enquanto nos abrasavam, eletrocutavam e fustigavam pendurados a um pau eles tomavam café da manhã, liam o jornal, estudavam, trepavam, escondiam suas gravidezes e abortavam às escondidas, se maquiavam, compravam sapatos, traiam seus maridos e mulheres, tinham ciúmes, fingiam que se amavam, viviam suas vidas anestesiados da nossa presença, como farão se escutarem qualquer coisa agora, são os mesmos, não mudaram, então que escutem…

uma semana com este velho preso numa cadeira, amarrado pelas mãos e pelos pés, toda manhã acordo com uma lembrança nova, perfeitamente nítida, de algumas das sevícias que me infligiu quando tinha vinte anos, essa dor insustentável não se pode explicar, tentei inúmeras vezes, mas ninguém nunca entendeu, todo dia acordo com vontade de praticar nele as torturas que me aplicara, uma a uma, com a mesma sistematicidade, mas quando encaro este velho flácido e debilitado algo me bloqueia, com esta idade não resistiria a um pau-de-arara nem a choques, mais de quarenta anos atrás ele não teria tido qualquer escrúpulo em pendurar um velho de quase oitenta anos se a ditadura o considerasse um inimigo, tenho certeza, mas eu não consigo, o que está acontecendo? queimei cigarros em sua pele já ardida pelo sol do Nordeste, o enchi de socos e chutes, arranquei-lhe pêlos do peito e do púbis durante uma semana e ainda não senti prazer nenhum, acreditava que iria me embevecer, mas não estou gozando, não me excito com seus gritos de dor, só consigo ter pena dele e de mim mesmo, diz que não sabe como foi assassinada Anaí e onde estão seus restos, passou anos no DOI-CODI e quer que eu engula, invejo essa sua impassibilidade: eu não conseguia mantê-la nos interrogatórios deles, ao vislumbrar a sala já estava tremendo, meus intestinos já entravam derretidos, e o pior é que parece sincero, não há resquício de mentira em seu olhar, será que não sabe mesmo? o que me enlouquece, o que me atordoa é a obtusa, inarredável obstinação deste velho em negar seu ódio, seu deleite perverso…

Cansado dessa teimosia, após sete dias de cativeiro Emanoel pegara uma lagartixa de uma das paredes de sua garagem, desamarrara as mãos do preso, o obrigou a segurar o bicho e lhe ordenara que o torturasse. Agora você está sob as minhas ordens: cumpra-as! Sem pestanejar, o velho arrancara com zelo o rabo da lagartixa, sem manifestar qualquer emoção a não ser cansaço, e em seguida, esticando o corpo do animal com as mãos e ajudando-se com os dentes, o despedaçara aos poucos com metódico rigor, cortando-lhe cada uma das patas e por último, enquanto estava ainda vivo contorcendo-se em agonia, a cabeça. Emanoel saíra e voltara para a garagem com um penico cheio das fezes do próprio velho daquela manhã. O colocara nos joelhos do preso e ordenara: agora come tua merda, é uma ordem! O velho recusara-se. Come tua merda! O velho ficara impassível. Come tua merda, porra! Deu-lhe um soco na cara, que começara a sangrar, mas o velho continuara sem obedecer. Emanoel, então, agarrara sua cabeça e a enfiara no penico cheio de bosta.

Esquartejar um ser vivo o faz sem pestanejar, mas comer tua merda não pode?

O velho tinha vomitado e estava chorando, tentando disfarçar na semiescuridão. Emanoel se espelhou naquele choro silencioso, abafado. Naquele momento, renunciou a querer entender, se é que aquilo que o atormentava havia mais de quarenta anos podia ser entendido, e também sentiu vontade de chorar.

A televisão noticiava todo dia o desaparecimento de um turista carioca de férias em Natal, um militar aposentado, e a polícia estava investigando o que acontecera. Naquele mesmo dia, iriam encontra-lo desacordado num terreno baldio. Algo lhe dizia que o velho não o denunciaria. Se estivesse enganado, que diferença fazia a essa altura da vida?

Emanoel saiu para buscar uma bacia de água e um pano para limpar a cara do velho. Assim que a porta da garagem ficou para trás, não conseguiu reter as lágrimas.

Imagem: Cena do filme Batismo de Sangue, de Helvécio Ratton (Brasil, 2007).

Comments

There is 1 comment for this article
  1. Pingback: Retrospectiva literária pessoal | Substantivo Plural

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP