Um escritor multifacetado em seu ofício

Escritor lança o seu novo livro de poesia “Mattinata” nesta quinta-feira, 17, a partir das 19 horas, na Siciliano do Midway

Fernando Monteiro é um poeta e romancista pernambucano do mais alto nível (confira seus dados biográficos no Wikipédia, na internet – aqui). Agora ele volta ao poema longo com o livro Mattinata. Combinei com Tácito Costa, editor do blog Substantivo Plural, uma entrevista com ele e juntos enviamos algumas perguntas ao autor.

Você estreou na poesia em 1973 com o poema longo “Memória do Mar Sublevado”. Depois se voltou para o romance. Recentemente retornou ao poema longo, com “Vi uma foto de Anna Akhmátova” e “Para que ser poeta em tempos de penúria? Por que a opção por este tipo de composição poética?

Sem que a frase possa vir a soar vaidosa (por favor!), eu diria que fui até bem sucedido no gênero do romance, a partir de Aspades, Ets Etc – que saiu primeiro em Portugal, pela ótima editora do Jorge Araújo, a Campo das Letras. Deram-me o primeiro prêmio de literatura da revista BRAVO, por ele. Depois, publiquei mais cinco ou seis livros de ficção pela Record, Editora Globo, pela W11 e pela Francis. Essa aparente “auto-confetagem” é só para dizer que eu poderia ter ficado instalado confortavelmente no romance, mas de fato encheu meu saco a montanha de romancistas que apareceu nos últimos tempos, neste Brasil de modismos inacreditáveis. Todo mundo, neste momento, virou romancista: o taxista, o zelador do meu prédio, Vera Fischer, Paulo Coelho e talvez o Eike Batista também. É assim, atualmente: romancistas por todos os lados. Bem, em vista disso (em parte), eu achei que era a hora de voltar para a poesia — praticando o poema longo que quase ninguém pratica. É que a minha (falta de) lógica funciona dessa estranha maneira: tenho tendência para ser multado por ir na contramão das ondas. Por que o livro se chama “Mattinata”? (Segundo o dicionárioweb, via Google: – sf 1 manhã inteira. 2 matinê.

É o título do primeiro dos três poemas (só são três, nesse livro), justo aquele que se passa numa manhã, bem cedo, na matinê do sofrimento humano oculto na dobra dos versos brancos, livres, pretos, presos. Poema narrativo, como igualmente o Vi uma foto de Anna Akhmátova, pelo qual retornei à “prima pobre da literatura” (rs), a Poesia, há três anos.

O trecho de “Mattinata” publicado no SP revela nuances mais existencialistas com relação ao tempo, o que era menos explícito nos seus dois poemas longos publicados anteriormente. Concorda com essa leitura?

Concordo, sim. Até por definição (vinda do título), o poema pretende ser uma meditação sobre o tempo, no sentido de relógio existencial percebido pelo Tácito Costa no fragmento publicado nesse espaço único (na internet) que é o democratíssimo SP, maior do que São Paulo como caixa de ressonância sob a batuta de um sutil maestro.

A capa de “Mattinata” é de um grande artista brasileiro e seu amigo pessoal Francisco Brennand. Como se deu essa escolha?

Brennand é o maior artista brasileiro vivo, na minha opinião. É também um dos espíritos mais vigilantes destes tempos de penúria em todos os níveis: cultural, moral, política etc (exatamente o tema do terceiro — e último — poema de Mattinata). A capa da edição portuguesa do Aspades também foi de Francisco. Por mim, todas as capas dos meus livros seriam dele, uma honra demasiada para este amigo de FB admirador da sua arte.

Ao lirismo, pseudo-lirismo e confessional que dominam boa parte da cena poética nacional, você contrapõe em “Vi uma foto de Anna Akhmátova” e “Para que ser poeta em tempos de penúria? a crítica social, literária, de valores. Você também dialoga com o melhor da tradição poética universal. Quem dialoga com sua poesia?

Acho que se o Silêncio (“toda poesia aspira ao silêncio”) quisesse dialogar comigo, eu ficaria de joelhos, silenciosamente, diante dele. E não chamaria ninguém pra fotografar e botar nos jornais. “Lirismo, pseudo-lirismo e confessional que dominam boa parte da cena poética nacional”, eu não saberia descrever com palavras mais exatas do que essas tuas, ó Carlão…

Como vê o panorama do romance brasileiro atualmente? A premiação de autores como Chico Buarque e Edney Silvestre, por exemplo, indica que o gosto médio literário está se impondo a leitores e jurados?

Edney Silvestre é um engodo e Chico Buarque — o maravilhoso compositor da MPB — é um aprendiz de romance, sob patrocínio da Companhia das Letras (podia ser das Casas da Banha também). Há outros engodos e outros aprendizes até piores por aí, enchendo o saco da gente e levando os prêmios, seja por causa de olhos verdes ou não. Melhor para eles, e pior para a literatura brasileira. Saí do romance por causa dessa inflação de “mais do mesmo” e daí para baixo…

Tem planos de voltar a escrever romances?

Tenho, sim, mas isso quando alguns ótimos contistas e romancistas (sem prêmios e outras benesses) forem devidamente reconhecidos. Quer exemplos? Francisco de Morais Mendes, mineiro que eu não conheço pessoalmente [portanto, não há “compadrismo” nisto], é um dos melhores contistas do Brasil, assim como Luís Henrique Pellanda, curitibano um pouco mais jovem do que Mendes e, talvez, um pouquinho mais afortunado, mais ainda nada que se pareça, no caso deste e de outros talentos, com o Edneysilvestrismo dourado que vai para quem tem jogo de cintura e mídia frouxa em favores y otras cositas mais.

A Internet democratizou o acesso à informação e tornou mais fácil a publicação, circulação e debate de obras literárias. A rede hoje está tomada por poetas. Como separar o a boa poesia da má poesia nesse vasto mundo online, onde quase todos se assumem como poetas?

Não vai separar, pelo menos por enquanto. A internet se acha bastante ocupada, neste momento, basicamente por amadores da poesia e da opinião. Todo mundo é/seria poeta e crítico, nela; daí, o escorrego silogístico obriga a concluir que, então, ninguém é/seria crítico e poeta na Internet dos amadores gritando no deserto dos blogs com zero comentário (e outros zeros). Porém, há exceções, é claro — pra confirmar a regra, como sempre.

Quais são suas referências mais constantes na poesia e que poetas em atividade você destacaria no Brasil atualmente?

Jorge de Lima, Emílio Moura, Joaquim Cardozo e Abgar Renault, entre os modernos já mortos. Entre as seguras e maduras (poeticamente), a vivíssima potiguar Marize Castro. Entre os jovens, uma Mariana Iannelli.

Qual a sua opinião sobre as feiras, festivais e prêmios literários que são realizados em todo o país. Qual a contribuição desses eventos à literatura e à leitura?

Nas bienais, geralmente muito barulho de maracatu (aqui) e muitas crianças correndo debaixo de uma espéice de cobra de pano e outros brinquedos. Dizem que é para ir “despertando o gosto por literatura”, nelas. Acho que termina apenas acentuando o gosto por correr, mesmo. Nas flips, flops e flups, não sei quem peidará mais silenciosamente — flup, flop, flip — durante as animadas palestras do interesse absoluto de companhias de letras, letrinhas e outras sopas de palavras (normalmente) ao vento e al dente…

Você sempre teve ligações com Natal, primeiro através do poeta Franco Jasiello, prestou serviço à Fundação José Augusto, no tempo de Woden Madruga, e mais recentemente com outros escritores, via Substantivo Plural. Fale-nos desse diálogo com o pessoal de Natal.

Em Natal, primeiro vim filmar Luiz da Câmara Cascudo, em 1974, quando este locutor-que-vos-fala era ainda cineasta, também. As cenas tomadas naquela ocasião estão em meu filme intitulado Oh, Segredos de Uma Raça. Cascudo foi (e continuará sendo) um dos gênios da raça. Depois, conheci o ótimo poeta, cavalheiro e homem gentil e fraterno que foi Franco Maria Jasiello, que me apresentou a Woden Madruga, o saudoso Luís Carlos Guimaraes (grande poeta), Paulo de Tarso, Tarcísio Gurgel, Nelson Patriota, Ivan Maciel, Tácito Costa, Pedro Vicente Sobrinho, Dácio Galvão, Vicente Serejo e outros amigos. Mais recentemente, Jarbas Martins, Lívio Oliveira, Laurence Bittencourt, vosmicê, o seu Alex e outros se somaram à minha legião de amigos, nesta cidade luminosa como a Toscana. E viva e ainda bolindo, apesar das Micarlas… Porém, elas passarão, passarinho, e a bela Natal continuará igual a si mesma, na luz que não se apaga.

Comments

There is 1 comment for this article
  1. Pingback: Mattinata, de Fernando Monteiro | Milton Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP