Um olhar (enviesado) para a campanha

Tem algo de muito errado por aí. Um carro de som de um certo candidato passa por mim e o cara diz “me ajude!”. Eu tomo um susto e fico me perguntando, mas ele não deveria dizer, “vou ajudar vocês!”, não? Os carros de som da atual campanha política nos dão uma idéia do que muita gente pensa o que é política hoje. Muita gente acha que política é um jeito de se ganhar um empreguinho bom. Vejo carros de som com fotos de moças louras, inexpressivas, de olhos arregalados tocando uma musiquinha qualquer da moda. Marmanjos sorridentes em suas camisas sociais prometendo nada, dizendo que são nossos amigos ou então que agora é a vez deles,  “o povo quer fulano”. Nenhuma proposta objetiva para melhorar nossas vidas sai daquelas caixas de som. Sai a impressão de que eles acham que estão se identificando com o povão que ama tanto aquelas musiquinhas no original. Onde estão as ideologias, os partidos, as propostas de mudança? Não vejo nada disso. Vejo um bando de espertinhos querendo se dar bem. Como vamos construir uma cidade dos sonhos com tais candidatos? Que aventureiros serão eleitos para dizer amém aos desmandos do próximo alcáide? Cá comigo eu penso, “estamos lascados”. Precisamos de uma reforma política urgente neste país.

Jornalista e escritor. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 3 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 − 5 =

ao topo