“Uma cantora que não quer ser ‘cool’”

alcione “O novo disco da Alcione, “Acesa”, é tudo que já tentei dizer outras vezes e fracassei porque, vejo agora, faltou ao verbo o gostoso veneno da voz da Marrom. Enfim, uma mulher que sabe quem manda nesta casa. Ela. A loba. Uma cantora que não quer ser cool como todas as outras que neste momento estão mostrando um clássico de Assis Valente na Lapa. Pelo contrário. Uma cantora que é capaz até mesmo de ficar ofendida se for elogiada de cool por alguma faixa mais suave. Esse negócio — Alcione sabe e se ela não diz claramente foi o que eu entendi em todas as faixas do CD — esse negócio de cool é segredo para quatro paredes. É coisa do macho dela para com a fêmea que ela é, e, em contrapartida romântica, é coisa dela para com o distinto do travesseiro ao lado. Ninguém tem nada a ver com isso. Cool é questão de foro íntimo, tem seu momento. O problema é que as novas cantoras, por mais afinadas que sejam, por mais bonitinhas que fotografem na capa, só pensam nisso. Só pensam em falar baixinho, sussurrar o que não tenha a ver com as suas vidas e principalmente não contrariar quem quer que seja com idiossincrasias fora do tom. Não é só a bebida. Cantam com moderação.”  Joaquim Ferreira dos Santos

aqui

ao topo