Uma crônica cinéfila

Por José de Castro*

“Era uma vez no oeste”, bem longe de todas as “Luzes da cidade”. Ali estávamos os dois “Perdidos na noite”, “Cantando na chuva”. Éramos “Um homem e uma mulher“Sem destino”. Na verdade, o que a gente queria mesmo era “Um lugar ao sol” e vivenciar algumas “Loucuras de verão”. Não havia táxi e nem estávamos “No tempo das diligências”. Mesmo assim conseguimos chegar a “Uma rua chamada pecado”, onde pudemos presenciar algumas “Núpcias de escândalo”. Ou seria “A primeira noite de um homem”? “Minha bela dama”, naquele momento, estava mais parecendo “A noviça rebelde”. Mesmo assim, éramos ainda “Os bons companheiros” de sempre e “O diabo a quatro”… “O sexto sentido” me recomendou prudência naquele momento. Afinal, tínhamos um pacto de amor e também um “Pacto de sangue”. Fazer o quê? Nesses “Tempos modernos” as coisas são mesmo assim: ”: “Noivo neurótico, noiva nervosa” . Resolvi não comentar nada. É sempre preferível “O silêncio dos inocentes”, pois de um tudo “Aconteceu naquela noite”. E eu não era mesmo “O homem que sabia demais”. Apenas “Duas ou três coisas que sei dela”. Sei também que “A mulher faz o homem”, mesmo os mal-educados, pois “Os brutos também amam”. E sabia mais: “Os melhores anos de nossas vidas” não podemos desperdiçá-los colhendo “Morangos Silvestres” ou comendo “Tomates verdes fritos”. E nem podemos deixar para trás “Rastros de ódio”.

E ali estava eu, mais para “Uma aventura na África” do que para uma “Sinfonia em Paris” . Eu me sentia “O poderoso chefão” em pose de “Patton”, um verdadeiro “Lawrence da Arábia” de mim mesmo. Quem nunca teve uma “Psicose”? Na verdade, mais parecia “O franco-atirador” ou “Um estranho no ninho.” Ou quem sabe me via como “O mágico de Oz” tentando cruzar “A ponte do rio Kway” (ou seriam “As pontes de Madison”?). Pensei-me como o “Último dos moicanos” querendo escalar “O morro dos ventos uivantes”. Com certeza, “Em busca de ouro”, o tesouro do amor. Ou talvez estivesse tentando ouvir “A canção da vitória” do meu “Amor, sublime amor” entoada pelo coral de “Os sete samurais”. Meu coração se aquecia. “Paris está em chamas?” “Quanto mais quente melhor…” Mas o vento apagou tudo. “E o vento levou…” para bem longe todos os meus desejos e os meus sonhos mais secretos … “Meu ódio será sua herança?” Nunca, pois “Assim caminha a humanidade…”, foi o que pensei. Mas no fundo, no fundo, eu ainda tinha três certezas: “O sol é para todos”… “A felicidade não se compra”. .. E “A vida é bela”. “O resto é silêncio”, como diria William Shakespeare. Uma “Bravura indômita” calou fundo em meu peito. Pura “Fantasia”! pois “Esse mundo é dos loucos”! 

Observação: Os filmes citados, em itálico,  foram retirados dentre uma lista dos 100 melhores filmes de todos os tempos (do American Filme Institute – AFI), com alguns acréscimos da minha preferência.

 

*José de Castro, jornalista, escritor, poeta. Autor de livros infantis. Autor de “Apenas palavras” e “Quando chover estrelas”.Membro da SPVA/RN, da UBE/RN e da ALACIB/Mariana-MG. Contato: josedecastro9@gmail.com

Jornalista, escritor e poeta. [ Ver todos os artigos ]

Comments

Be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP