Uma Vida

Umas vezes a vida um mar sereno
Outras vezes em um mar bravio
Tem sido para mim um desafio
Em um céu azul de Polifemo.

Nadando sobre ela, te encontrei.
Era um verão de cristas de galo
Nós dois abraçados num regalo
Volúpias lembranças que neguei

Seu olhar ao meu já não vê.
Trêmulo suspirando sem crer
No lago escarlate dos dias

Como barco sem céu a deriva
Não mais o azul daquela vida
Só o charco turvo da acídia.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo