Velvet Violet

“ nada faço escondido… minha vida é um livro aberto … devo tudo que sou ao público” Liz Taylor

Ela era umas das ultimas divas da sétima arte. Elizabeth Taylor, Liz Taylor protagonizou grandes personagens da literatura, do cinema e da história universal. Em 1963, ela encarnou uma deslumbrante “Cleópatra”, dirigida por Joseph L. Mankiewicz – filme lhe rendeu um milhão de dólares e algumas doenças.

Seus olhos de um azul profundo era quase violeta. Tinha pavor a ficar só e por isso casou muitas vezes. Com alguns casou mais de uma vez e pediu para ser enterrada junto. Desde cedo aprendeu a seduzir com seus belos decotes e olhares tentadores e cruéis. Lembro sempre dela com seus ricos colares de diamantes, casando e descasando para casar novamente.

Não tinha grande estatura física como outras grandes do cinema, mas o cinema tudo transforma e a fez uma mulher fatal nas telas e no écran.
Elizabeth Rosemond Taylor nasceu em Londres, em 27 de fevereiro de 1932, filha de um antiquário (Francis Taylor ) e uma atriz – Sara Southern -, que foi fundamental na sua precoce vida de estrela do cinema.

O chefão da poderosa MGM tinha pavor aos homossexuais e num contraponto Liz gostava muito deles e trabalhou muito por suas causas e doenças. Alguns de seus grandes amigos morreram de AIDS. A atriz foi grande amiga do cantor Michael Jackson que guardava tudo relacionado com a vida da bela atriz cuja vida e fama alimentou um manancial de revistas de fofocas e variedades num tempo em que essa industria ainda era incipiente. “ as mulheres têm inveja de mim, mas ao gays me tratam como uma deusa “, escreveu Dulce Damasceno sobre Liz num livro que narra os bastidores da fábrica de sonhos Hollywood.

Nu, tempo em que as pequenas e belas atrizes faziam grande sucesso em Hollywood, Liz participa num filme B da Universal, mas sua verdadeira estréia acontece ao lado do cão Lassie, em “Força do Coração”.

Aos dezoito anos casou com o milionário Nicky Hilton que não lhe deu muita atenção e sexo. Depois casou com os atores Michael Wilding e Mike Todd. Ao filmar Um Lugar ao Sol em 1951, ela conhece o ator Montgomery Clift que se tornaria seu grande amigo e amante não correspondida.
Dez anos após, ao filmar Cleópatra em Roma ela conhece o galã Richard Burton com que se casaria duas vezes e com que contracenaria em muitos filmes. Grandes atriz recebeu em 1961 seu primeiro Oscar por Disque Butterfield 8. Tem um papel marcante no filme “Quem tem Medo de Virginia Woolf ?” de 1966, que lhe daria um segundo Oscar.

A atriz Liz Taylor morre aos 79 anos, após uma vida de glamour e muitas doenças e cirurgias. O mito e a beleza de uma das mais belas e completas atrizes ficarão com cada amante da sétima arte. Continuaremos sonhando com seus filmes protagonizados por um dos rostos mais belos do cinema. Obrigado Liz por iluminar nossas vidas e embelezar um século de guerras em que o cinema mostrou que pode ser uma grande arte tendo atrizes como você.

********

Dica do SP.
Galeria de fotos da atriz: aqui

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 4 comentários para esta postagem
  1. João da Mata 29 de março de 2011 10:19

    Caro amigo Tácito,

    Vi nesse final de semana o Gata….. e fiquei encantado. Acrescentei um pequeno comentário e corrigi alguma coisa do texto anterior ( que – quem ). Encaminho novamente porque sei quão exigente são nossos leitores. abç. JMC

    Liz Velvet – Uma lenda que não morre

    João da Mata Costa

    “ nada faço escondido… minha vida é um livro aberto … devo tudo que sou ao público” Liz Taylor

    Ela era umas das ultimas divas da sétima arte. Elizabeth Taylor, Liz Taylor protagonizou grandes personagens da literatura, do cinema e da história universal. Em 1963, ela encarnou uma deslumbrante “Cleópatra”, dirigida por Joseph L. Mankiewicz – filme lhe rendeu um milhão de dólares e algumas doenças.

    Seus olhos de um azul profundo era quase violeta. Tinha pavor a ficar só e por isso casou oficialmente oito vezes. Com o galês Richard Burton ela casou duas vezes e pediu para ser enterrada junto. Desde cedo aprendeu a seduzir com seus belos decotes e olhares tentadores e cruéis. Lembro sempre dela com seus ricos colares de diamantes, casando e descasando para casar novamente.

    Não tinha grande estatura física como outras grandes do cinema, mas o cinema tudo transforma e a fez uma mulher fatal nas telas e no écran.
    Elizabeth Rosemond Taylor nasceu em Londres, em 27 de fevereiro de 1932, filha de um antiquário (Francis Taylor) e uma atriz – Sara Southern -, que foi fundamental no início de sua precoce vida de estrela do cinema.

    O chefão da poderosa MGM tinha pavor aos homossexuais e num contraponto Liz gostava muito deles e trabalhou muito por suas causas e doenças. Alguns de seus grandes amigos morreram de AIDS. A atriz foi grande amiga do cantor Michael Jackson que guardava tudo relacionado com a vida da bela atriz cuja vida e fama alimentou um manancial de revistas de fofocas e variedades num tempo em que essa indústria ainda era incipiente. “ as mulheres têm inveja de mim, mas ao gays me tratam como uma deusa “, escreveu Dulce Damasceno sobre Liz num livro que narra os bastidores da fábrica de sonhos Hollywood.

    Num tempo em que as pequenas e belas atrizes faziam grande sucesso em Hollywood, Liz participa num filme B da Universal, mas sua verdadeira estréia acontece ao lado do cão Lassie, em “Força do Coração”.

    Aos dezoito anos casou com o milionário Nicky Hilton que não lhe deu muita atenção e sexo. Depois casou com os atores Michael Wilding e Mike Todd. Ao filmar Um Lugar ao Sol em 1951, ela conhece o ator Montgomery Clift que se tornaria seu grande amigo e amante não correspondida. Dez anos após, ao filmar Cleópatra em Roma ela conhece o galã Richard Burton com que se casaria duas vezes e com quem contracenaria em muitos filmes. Grande atriz recebeu em 1961 seu primeiro Oscar por Disque Butterfield 8. Tem um papel marcante no filme “Quem tem Medo de Virginia Woolf ?” de 1966, que lhe daria um segundo Oscar. Antes, em 1958, ela participa do filme “Gata em Teto de Zinco Quente, baseado na peça do dramaturgo Tennessee Williams que não gostou da adaptação para o cinema. Nesse filme Liz Taylor faz o papel de Maggie e contracena com Brick (Paul Newman), um ex-jogador de futebol que se torna um alcoólatra e vive em crise matrimonial. Um belo filme onde Liz Taylor está deslumbrantemente bela e tem um grande desempenho cênico com diálogos primorosos com o seu talentoso partner Paul Newman.

    A atriz Liz Taylor morre aos 79 anos, após uma vida de glamour e muitas doenças e cirurgias. O mito e a beleza de uma das mais belas e completas atrizes ficarão com cada amante da sétima arte. Continuaremos sonhando com seus filmes protagonizados por um dos rostos mais belos do cinema. Obrigado Liz por iluminar nossas vidas e embelezar um século de guerras em que o cinema mostrou que pode ser uma grande arte tendo atrizes como você.

  2. João da Mata 25 de março de 2011 11:30

    Poema lido no Funeral da diva Liz Taylor

    THE LEADEN ECHO by Gerard Manley Hopkins

    HOW to kéep—is there ány any, is there none such, nowhere known some, bow or brooch or braid or brace, láce, latch or catch or key to keep
    Back beauty, keep it, beauty, beauty, beauty, … from vanishing away?
    Ó is there no frowning of these wrinkles, rankéd wrinkles deep,
    Dówn? no waving off of these most mournful messengers, still messengers, sad and stealing messengers of grey?
    No there ’s none, there ’s none, O no there ’s none,
    Nor can you long be, what you now are, called fair,
    Do what you may do, what, do what you may,
    And wisdom is early to despair:
    Be beginning; since, no, nothing can be done
    To keep at bay 10
    Age and age’s evils, hoar hair,
    Ruck and wrinkle, drooping, dying, death’s worst, winding sheets, tombs and worms and tumbling to decay;
    So be beginning, be beginning to despair.
    O there ’s none; no no no there ’s none:
    Be beginning to despair, to despair,
    Despair, despair, despair, despair.

    Ouça aqui com Richard Burton :

    http://www.wikio.com/video/richard-burton-reads-gerard-manley-echo-4728640

  3. João da Mata 24 de março de 2011 17:01

    Um dos desejos da atriz Liz Taylor era ser enterrada ao lado do seu marido Richard Burton.
    A família resolveu por enterra-la junto ao seu grande amigo:

    Amigos e familiares participam nesta quinta-feira do velório da atriz Elizabeth Taylor. A cerimônia será fechada. Ela será enterrada no cemitério Forest Lawn, em Los Angeles, onde o corpo de Michael Jackson também foi enterrado. A informação é do site TMZ.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo