VENENO

Envenenado
Pelo pecado
Cheiro, fodo
Injeto e fumo

Abençoado
Pela vida
Fico dopado
Enveneno o mundo

Sem sentir a ferida
Escorro o sangue
Desse eu profundo

Comments

There are 6 comments for this article
  1. Jarbas Martins 19 de Novembro de 2013 14:06

    Na veia!

  2. Anchieta Rolim 19 de Novembro de 2013 14:32

    Valeu, meu amigo e poeta Jarbas Martins!

  3. Oreny Júnior 20 de Novembro de 2013 12:32

    .enevado de veneno,
    abraços,

  4. Anchieta Rolim 20 de Novembro de 2013 17:27

    Grato, poeta Orery. Abraços.

  5. Aldo Lopes de Araújo 20 de Novembro de 2013 19:39

    Caro Anchieta Rolim, não fui ao lançamento do seu livro porque fui avisado de última hora, e o meu carro, que foi fabricado aqui mesmo no Brasil, ficou engarrafado para sempre numa rua próxima ao estádio novo padrão fifa dessa copa fiofó. Gostaria de saber onde encontrá-lo. O livro, claro. O recado vai aqui mesmo, não tenho o seu número de telefone.

  6. Anchieta Rolim 21 de Novembro de 2013 9:59

    Aldo, meu irmão, irei deixar pessoalmente em sua residência um exemplar do Contagem Regressiva. Um abração!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP