Veneno

veneno

Ai, o amor…
Veneno que faz viver…
“Só os que morrem dele ,
Vivem”.

Só os que bebem seu sabor,
Sabem que não é tão doce…
Só os que buscam sua luz,
Sabem do seu escuro.

Só os que trilham seus caminhos,
Acham-se perdidos,
Desencontram-se perto,
Abraçam-se de longe…

Sorriem-se,
Sonham-se,
Querem-se,
Amantam-se dele.

Vivem… Matam,
Morrem… Matam-se
Acreditam-se (?)
Sonham…

Só os que dele tem sede,
Buscam, sorvem,
Fartam-se
Dos seus ais e uis… Ai,o amor…

(Ednar Andrade).
(22/09/20011).

Comentários

Há 3 comentários para esta postagem
  1. andrey jack 18 de novembro de 2011 17:13

    sem duvida alguma, nossas sombras…reflete a todos…

  2. Ednar Andrade 22 de outubro de 2011 16:14

    Obrigada, querido. Abraço, Paulo Caldas Neto!

  3. Paulo Caldas Neto 18 de outubro de 2011 17:40

    Ednar,
    Adorei a nova perspectiva do amor construída neste poema. Mais uma vez, parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo