Víbora

vivo

como um víbora.

 

faminto

como uma víbora.

 

me arrato

como uma víbora.

 

faminto

me arrasto.

 

vivo

como uma víbora.

Sou artista visual, fiz várias exposições individuais e coletivas, já participei de salões, palestras, seminários, whorshop, projetos culturais, oficinas de arte, intervenções urbana e etc... Escrevi um livro de poemas "Agonia" que é mais pessoal que poético e gosto do portugues escrito de forma simples onde pessoas com menos formação acadêmica tenham condição de ler e entender. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 5 comentários para esta postagem
  1. Anchieta Rolim 23 de setembro de 2014 15:10

    Abraços, meu poeta Jarbas Martins! As areias brancas te esperam…

  2. Jarbas Martins 22 de setembro de 2014 14:45

    Marcos Silva disse bem, Anchieta Rolim..Semântico e gráfico-visualmente o teu poema (que tem muito das experimentações concretistas) vibra.Abraços, poeta e grande amigo.

  3. Anchieta Rolim 22 de setembro de 2014 7:03

    Salve Marcos Silva!

  4. Marcos Silva 21 de setembro de 2014 12:43

    vibra como uma víbora

  5. Anchieta Rolim 21 de setembro de 2014 12:07

    Leia-se na terceira estrofe ” me arrasto “.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo