Viva Saldanha!

João Saldanha, responsável pela seleção vitoriosa de Setenta, que foi usada como instrumento de propaganda da Ditadura, com a bajulação de Zagalo, disse naquela época que Médici era o maior assassino do Brasil. falou aqui contra um ditador daqui. Não precisou falar mal de Hitler nem de Stalin. É fácil falar mal do general de Londres. Difícil é falar mal do cabo de polícia do bairro. Viva Saldanha e fervam no inferno as memórias de Médici e Fleury.

Ex-Presidente da Fundação José Augusto. Jornalista. Escritor. Escreveu, entre outros, A Pátria não é Ninguém, As alças de Agave, Remanso da Piracema e Esmeralda – crime no santuário do Lima. [ Ver todos os artigos ]

ao topo