Xô, ditadura!

O almirante Rademaker (primeiro à esquerda),
ao lado de seus colegas de junta militar Márcio Souza
e Mello e Aurélio de Lyra Tavares, em 1969

De Maurício Dias
NA CARTA CAPITAL

A lição do Pedro II

A vitória da mobilização de professores e estudantes do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro, deixou uma lição para o País sobre o melhor modo de agir com o que há de pior deixado pelos governos militares: extirpar a herança.

Foi o que ocorreu após longa e pacífica jornada de lutas. No dia 19 de abril de 2011, a direção da escola, com a aprovação da Congregação, baniu oficialmente o nome do almirante Augusto Hamann Rademaker Grünewald (1905-1985) que identificava a unidade da Direção-Geral do Pedro II, no bairro de São Cristóvão.

A decisão honra a tradição democrática quase bicentenária do educandário, desrespeitada por essa decisão tomada durante a ditadura. Rademaker, militar de perfil prussiano, teve militância ativa no golpe que derrubou o presidente João Goulart, em março de 1964. E não parou por aí a participação dele no regime antidemocrático que durou duas décadas.

Ele era o ministro da Marinha quando o general Costa e Silva deixou a Presidência, em 1969, por razões de saúde. No lugar do vice-presidente Pedro Aleixo, veterano político mineiro, eleito também de forma indireta pelo Congresso, a junta militar formada pelos ministros do Exército, da Marinha e da Aeronáutica tomou o controle do poder. Um golpe dentro do golpe. Rademaker compunha o trio formado pelo general Lira Tavares e pelo brigadeiro Marcio de Souza Melo.

(…)

Um acinte a muitos professores, como ocorreu com Helena Godoy, peça-chave na reparação desse erro histórico. Professora aposentada do Pedro II, ela manteve sempre acesa a chama da indignação.

Mas a homenagem foi, principalmente, um escárnio a numerosas famílias.

Do ambiente politizado do Pedro II saíram muitos alunos que aderiram à luta armada e foram torturados ou mortos pelos agentes da repressão política. Há um levantamento dos ex-alunos assassinados: Alex de Paula Xavier Pereira (1949-1971), Antônio Sergio de Matos (1948-1971), Fernando Augusto Valente da Fonseca (1947-1971), Marcos Nonato da Fonseca (1953-1972), Lincoln Bicalho Roque (1945-1973), José Roberto Spiegner (1948-1970) e Lucimar Brandão Guimarães (1948-1970).

Embora não se possa dizer, por falta de provas, que, na ação cruel da repressão política, o almirante Rademaker tenha metido a própria mão na massa, ele certamente se omitiu e, mais do que isso, garantiu a impunidade dos algozes. Estes permanecem impunes ainda hoje, só que, agora, protegidos pela Lei da Anistia, o instrumento da negociação articulada entre militares e políticos para o restabelecimento do poder civil.

Esse acordo é um retrato fiel da malfadada conciliação.

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

Comentários

There is 1 comment for this article
  1. Raimundo Paulino 7 de maio de 2011 21:57

    Marcos Silva, excelente esclarecimento.

    Pena que nem todos aqueles que consideram o regime militar uma maravilha tenham acesso a tais constações.
    Conheço muitas pessoas que torcem para o tal regime militar voltar ao poder.

    Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo