Zumbi

Zumbi

Quase duzentos anos antes da Princesa Isabel assinar a Lei Áurea, um homem se levantou contra a escravidão, pagando com a própria vida pelo sonho de liberdade.

Ele nasceu em 1655 no Quilombo dos Palmares, na Serra da Barriga, hoje localizada no município alagoano de União dos Palmares. Ainda menino, foi capturado por soldados e entregue ao Padre Antônio Melo que lhe ensinou a escrita em língua portuguesa e em Latim, lhe deus os sacramentos, batizando-o com o nome de Francisco.

Aos 15 anos ele foge e retorna ao quilombo, assumindo a alcunha de Zumbi, fantasma, em quibundo. Astuto na luta e excelente estrategista militar, logo se notabilizou entre os seus.

Em 1678, Ganga Zumba, seu tio e líder do quilombo, aceita um acordo com o governador da Capitania de Pernambuco, segundo o qual os negros do quilombo seriam livres, desde que aceitassem a autoridade da Coroa Portuguesa. Zumbi, então, desafia Ganga Zumba, toma o poder e rejeita o acordo. Durante quase vinte anos, o quilombo, sob sua liderança, ofereceu a mais ferrenha resistência.

Em 1694, o bandeirante Domingos Jorge Velho é chamado para invadir o quilombo. Ele destrói a capital do quilombo; Zumbi sai ferido. Durante um ano ele é caçado, até ser traído por Antonio Soares e surpreendido pelo Capitão Mendonça Furtado. Ele resiste,mas termina morrendo juntamente com vinte homens. É decapitado,sua cabeça foi salgada e levada ao Governador Melo e Castro, sendo exposta em praça pública. Era o dia 20 de novembro de 1695.

O homem estava morto; sua luta continuou…

Brasileiro, nordestino, alagoano, advogado, cidadão comum, simples habitante deste planeta decadente... Rs... [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove − 1 =

ao topo